Continuando o artigo da semana passada, concluímos através de vários estudos científicos, e de uma entrevista do próprio Paul Hodges, pesquisador responsável pelo desenvolvimento da estabilização do núcleo (CS), conhecido pelos profissionais do movimento como Powerhouse ou Core, de que a ativação do centro de força, acabou por se tornar obsoleta, apesar de estar fortemente enraizada, no Método Pilates e no treinamento funcional.

Se você não leu o artigo da semana passada, recomendo fortemente que o leia clicando aqui.

Continuando nossa viagem pela ciência… será que nunca deveremos ativar o powerhouse?

Apesar de não termos evidencia cientifica de que a prevenção da dor lombar seja realizada com exercícios de estabilidade e força do Core, nunca não é uma palavra bem vista pela ciência. Logo, existem sim, alguns momentos, em que o powerhouse, pode ser ativado.

Eu disse pode, e não deve. Compreendem a diferença?

Evidências Científicas e Método Pilates

Em uma revisão sistemática com meta análise de Wang X Q et al. em 2012 (para quem está pouco acostumado com termos científicos, esse tipo de pesquisa está no mais alto escalão de evidência científica) ficou claro que, a curto prazo, os exercícios com ativação do powerhouse (CS) são mais eficientes para diminuir a dor lombar, quando comparado a exercícios sem a ativação da força do núcleo.

Contudo, em um período de 6 meses, a estabilização segmentar ou ativação do powerhouse perdeu o sentido ante ao achado cientifico, não havendo diferenças entre os dois tipos de exercício.

Em 2016, Yamato TP em outra revisão sistemática com meta análise, afirma não existir estudos de alta evidência comprovando que o Método Pilates seja superior a outros métodos de tratamento.

Opa! Eu disse isso mesmo. Eu não, Yamato, que disse ainda.

Existe evidência da efetividade do Pilates na dor lombar, o que não o torna superior perante outras formas de exercício físico, logo a escolha do Pilates, como tratamento para a dor lombar, conclui Yamato, deve fazer parte da:

  • Individualidade
  • Preferência do Aluno/Paciente
  • Além do Custo

Provavelmente, pela qualidade metodológica desses achados, não é muito provável que novas pesquisas, venham mostrar o oposto. Mas, então porque nossos pacientes melhoram com o Pilates?

A sugestão científica é de que essa melhora venha acompanhada de fatores psicológicos: mais motivação, ativação neural e tolerância a dor, dentro da nova hipótese de dor lombar, e suas questões multifatoriais.

E deixo aqui claro que, o Pilates desses artigos científicos vem acompanhado da estabilização do núcleo (CS), o que a longo prazo gerará um alto custo para o indivíduo, pois gerará uma reprogramação cortical, segundo o próprio Paul Hodges, para 2 cm atrás, além de 2 cm medialmente do polígono de sustentação do indivíduo, gerando assim, mais rigidez de tronco.

Powerhouse?

Logo, e como sempre digo em meus cursos, o método Pilates foi uma filosofia de vida criada por Joseph, e não é possível galera, vou repetir, trocando as palavras dessa vez, é impossível, que um dos pilares do Pilates que sugere a força de núcleo, que Joseph se referia, fosse a mesma estabilização central (CS) de Paul Hodges.

Haja visto, que o Método Pilates foi desenvolvido na primeira guerra mundial, e que Joseph Pilates morreu em 1967, quando Paul Hodges (02 de janeiro de 1966) tinha apenas 1 aninho, tornando, pouco provável, um possível encontro dos 2 gênios para unir a Teoria da Estabilização (CS) de Paul Hodges e a casa de força de Joseph.

Gostaria de citar aqui, ainda, que, nunca li na obra original de Joseph a palavra powerhouse. Para o filósofo Joseph Pilates a casa de força era algo muito além de tentar isolar um grupo de músculos profundos.

Fui ao dicionário e encontrei que força vem do latim fortia e indica: poder, energia, impulso.

Logo, seguem as minhas conclusões individuais:

  • Fica-me muito claro, que a CS e a casa de força não são sinônimos.
  • A casa de força para Joseph poderia ser algo como o empoderamento corporal.
  • Que a parte filosófica do Método fora perdida em algum lugar do tempo.
  • Que por algum motivo, desconhecido por mim, a Teoria de Paul Hodges foi engendrada no Método Pilates.

Elucubrações à parte voltemos a realidade, com todos esses resultados científicos, tenho certeza, que Joseph jamais desenvolveria um Método de Movimento, limitando movimento, pois é isso que a CS faz. Além, de aumentar inúmeras vezes a pressão intra-abdominal (admitido pelo próprio Paul Hodges).

A pressão intra-abdominal, medida por via intra bexigal, em posição deitada com os abdominais relaxados, se considera patológica a partir de 12mm de hg.

Acima deste valor se falasse já em hipertensão abdominal e, acima de 20mm Hg, estamos em uma condição de Síndrome Compartimental Abdominal. Para os urgentistas, um caso de hipertensão abdominal e/ou síndrome compartimental, medidas urgentes de descompressão devem ser adotadas.

Todavia, segundo alguns autores, o abdômen funciona como um sistema hidráulico, cuja pressão interna normal varia de 5 a 7 mm Hg. Segundo Cernea, acima de 10 mmHg, a pressão já pode provocar danos aos órgãos intra, extra-abdominais, e também, ao sistema nervoso central.

Estes dados nos dizem, em primeiro lugar, que não existe um consenso sobre os valores normais e patológicos da pressão intra-abdominal e que, de qualquer forma, pequenas variações já podem ser suficientes para determinar uma condição patológica.

O que parece ser determinante à respeito do efeito danoso da hiper pressão intra-abdominal sobre a saúde, é principalmente o seu caráter temporal, ou seja: mais que os valores maximais, que em caso de esforço transitório podem aumentar, e muito, mesmo sem provocar danos, o que mais pode comprometer a homeostasia, é o caráter permanente, do aumento.

O tempo durante o qual a pressão intra-abdominal permanece aumentado é o que mais impacta sobre a saúde, pois, quanto maior for o tempo do aumento, piores serão os danos ao organismo.

Segundo estas pesquisas, mesmo pequenas variações da pressão abdominal, quando prolongadas no tempo, podem determinar efeitos danosos, entre eles:

  • Atraso de Cicatrização de Feridas
  • Danos e Insuficiência de:
  • Aumento de Endo Toxinas Bacterianas no Sangue
  • Transmigração Bacteriana através das Membranas Celulares – que estarão mais permeáveis ao aumento da pressão.

De fato, o que deveria ser um mecanismo favorecedor da respiração e do controle postural e que deveria permitir a normal circulação do sangue e da linfa, se torna uma bomba armada e pronta a explodir, tendo como fator determinante o tempo de duração do aumento da pressão intra-abdominal dentro do nosso corpo.

Conclusão

Nunca desejei tanto existir a máquina do tempo para bater um papo com Joseph Pilates, e só serviria ele, para esclarecer minha dúvida, visto que como disse no artigo anterior, temos pouco material escrito original deixado pelo Sr. Joseph Pilates, e pouquíssimos discípulos diretos, que já estão mortos, com exceção de Lolita de San Miguel.

Tornando o método frágil e passível à distorções. Alguém encontra a casa de força de Joseph Hubertus Pilates para mim?

 

ASSINADO: Janaína Cintas

P.S. Esse texto foi impresso e colocado dentro de uma garrafa que foi lançada no oceano, afinal é assim que os mitos começam.

 

Referências Bibliográficas
  • Allison GT, Morris SL, Lay B. Feedforward responses of transversus abdominis are directionally specific and act asymmetrically: implications for core stability theories. J Orthop Sports Phys Ther. 2008;38(5):228-37.
  • Allison GT, Morris SL. Transversus abdominis and core stability: has the pendulum swung? Br J Sports Med. 2008;42(11):630-1.
  • Bjerkefors A, Ekblom MM, Josefsson K, et al. Deep and superficial abdominal muscle activation during trunk stabilization exercises with and without instruction to hollow. Man Ther. 2010;15(5):502-7.
  • Cholewicki, J., et al., 2002b. Neuromuscular function in athletes following recovery from a recent acute low back injury. J. Orthop, Sports Phys. Ther. 332 (11), 568e575.
  • Cholewicki, J., Ivancic, P.C., Radebold, A., 2002a. Can increased intra-abdominal pressure in humans be decoupled from trunk muscle co-contraction during steady state isometric exertions? Eur. J. Appl. Physiol. 87 (2), 127e133.
  • Cissik JM. The role of core training in athletic performance, injury prevention, and injury treatment. Strenght Cond J. 2011;33(1):10-5.
  • Georgopoulos, A.P., 2000. Neural aspects of cognitive motor control. Curr. Opin. Neurobiol. 10 (2), 238e241.
  • Goldman JM, Lehr RP, Millar AB, et al. An electromyographic study of the abdominal muscles during postural and respiratory manoeuvres. J Neurol Neurosurg Psychiatry. 1987;50(7):866-9.
  • Grenier SG, McGill SM. Quantification of lumbar stability by using 2 different abdominal activation strategies. Arch Phys Med Rehabil. 2007;88(1);54-62.
  • Hodges PW, Richardson CA. Contraction of the abdominal muscles associated with movement of the lower limb. Phys Ther. 1997;77(2):132-42
  • Hodges PW, Richardson CA. Delayed postural contraction of transversus abdominis in low back pain associated with movement of the lower limb. J Spinal Disord. 1998;11(1):46-56
  • Hodges PW, Richardson CA. Feedforward contraction of transversus abdominis is not influenced by the direction of arm movement. Exp Brain Res. 1997;114(2):362-70.
  • Hodges PW, Richardson CA. Inefficient muscular stabilization of the lumbar spine associated with low back pain. Spine (Phila Pa 1976). 1996;21(22):2640-50.
  • Kavcic N, Grenier S, McGill SM. Determining the stabilizing role of individual torso muscles during rehabilitation exercises. Spine (Phila Pa 1976). 2004;29(11):1254-65
  • Mannion AF, Pulkovski N, Schenk P, et al. A new method for the noninvasive determination of abdominal muscle feedforward activity based on tissue velocity information from tissue Doppler imaging. J Appl Physion. 2008;104(4):1192-201.
  • Morri SL, Lay B, Allison GT. Transversus abdominis is part of a global not local muscle synergy during arm movement. Hum Mov Sci. 2013;32(5):1176-85.
  • Morris SL, Lay B, Allison GT. Corset hypothesis rebutted – transversus abdominis does not co-contract in unison prior to rapid arm movements. Clin Biomech. 2012;27(3):249-54.
  • Sapsford RR, Hodges PW, Richardson CA, et al. Co-activation of the abdominal and pelvic floor muscles during voluntary exercises. Neurourol Urodyn. 2000;20(1):31-42.
  • Stokes IAF, Gardner-Morse MG, Henry SM. Abdominal muscle activation increases lumbar spinal stability: analysis of contributions of different muscle groups. Clin Biomech. 2011;26(8):797-803
  • Stokes IAF, Gardner-Morse MG, Henry SM. Intra-abdominal pressure and abdominal wall muscular function: spinal unloading mechanism. Clin Biomech. 2010;25(9):859-66
  • Strohl K, Mead J, Banzett R, et al. Regional differences in abdominal muscle activity during various maneuvers in humans. J Appl Physiol. 1981;51(6):1471-6.
  • Tokuno CD, Cresswell AG, Thorstensson A, et al. Recruitment order of the abdominal muscles varies with postural task. Scand J Med Sci Sports. 2011;23(3):349-54.
  • Tsao H, Hodges PW. Immediate changes in feedforward postural adjustments following voluntary motor training. Exp Brain Res. 2007;181(4):537-46.
  • Tsao H, Hodges PW. Persistence of improvements in postural strategies following motor control training in people with recurrent low back pain. J Electromyogr Kinesiol. 2008;18(4):559-67.
  • Urquhart DM, Hodges PW, Allen TJ, et al. Abdominal muscle recruitment during a range of voluntary exercises. Man Ther. 2005;10(2):144-53.
  • Urquhart DM, Hodges PW, Story IH. Postural activity of the abdominal muscles varies between regions of these muscles and between body positions. Gait Posture. 2005;22(4):295-301.
  • Urquhart, DM., Hpdges, P.W., 2005. Differential activity of regions of transversus abdominis during trunk rotation. Eur. Spine J. 14 (4), 393e400.
  • Vera-Garcia FJ, Elvira JLL, Brown SHM, et al. Effects of abdominal stabilization maneuvers on the control of spine motion and stability against sudden trunk perturbations. J Electromyogr Kinesiol. 2007;17(5):556-67.
  • White SG, McNair PJ. Abdominal and erector spinae muscle activity during gait: the use of cluster analysis to identify patterns of activity. Clin Biomech. 2002;17(3):177-84.
  • Wirth K, Hartmann H, Mickel C, Szilvas E, Keiner M, Sander A. Core Stability in Athletes: A Critical Analysis of Current GUidelines. Sports Med. 2016 Jul 30.