Pode ser em uma corrida, na aterrissagem de um salto ou até em uma simples caminhada, a lesão é súbita causa uma dor aguda e insuportável no tornozelo. Essa é a conhecida entorse de tornozelo, que afeta principalmente atletas de todas as modalidades.

A lesão é um problema frequente e que pode ter consequências graves quando não tratado. Você já a conhece e sabe como proceder ao receber um paciente com o problema? Não? Então continue lendo esse artigo.

O que é Entorse de Tornozelo?

A entorse acontece quando existe o estiramento ou ruptura de tecidos, podendo também estar associada a afrouxamento capsular e instabilidade articular. Esse tipo de lesão é extremamente frequente nos esportes, sendo a entorse de tornozelo a lesão mais comum nessa articulação.

A lesão ocorre principalmente por causa do gesto esportivo. Isso vale tanto para esportes de contato quanto em esportes sem contato entre os atletas.

Saltos, corridas e quedas são os principais causadores do problema, causando de 21% a 25% das entorses na articulação.

Após uma entorse de tornozelo o indivíduo também pode sofrer com perda de capacidade proprioceptiva e instabilidade articular. Assim que seu aluno sofrer uma dessas lesões é importante garantir que não existe ruptura de tendões e ligamentos ou alguma fratura.

Para confirmar se existe algum problema associado à entorse, o indivíduo precisa visitar um médico para realizar os devidos exames. A fratura é um dos maiores riscos que corremos quando falamos nesse tipo de lesão.

Boa parte dos casos acontecem depois de um impacto repentino. Durante o treinamento esportivo ou competição, o atleta salta ou faz uma parada repentina da corrida e percebemos uma torção do tornozelo.

Algumas vezes a pessoa que sofreu a lesão também ouve um estalo e logo depois sente a dor aguda.

A lesão causa um edema, com inchaço visível logo após seu acontecimento. Alguns pacientes reclamam de dor e latejação no tornozelo mesmo sem movimentá-lo ou colocar carga sobre a articulação.

Graus de Entorse de Tornozelo

A entorse de tornozelo pode ser dividida em graus de acordo com a gravidade da lesão e estruturas rompidas. Ela é dividida da seguinte forma:

Grau I: não existe ruptura das fibras ligamentares. O único sintoma visível é o edema e o paciente também sente dor aguda. O processo de recuperação é bastante rápido e logo o paciente já consegue apoiar seu peso sobre a articulação lesada novamente.

Grau II: a lesão vascular na região é maior, causando um hematoma e edema também maiores. A articulação apresenta um pouco de instabilidade combinados com maior dor e quadro inflamatório. Também ocorre ruptura parcial dos ligamentos.

Grau III: é caracterizado por dor intensa e ruptura de vasos importantes na região. A articulação apresenta grande instabilidade gerada pela ruptura total de ligamentos e extravasamento de líquido sinovial. A maioria dos casos de entorse em grau III são de tratamento cirúrgicos.

Logo após uma entorse de tornozelo já conseguimos imaginar qual é o nível de gravidade da lesão. Podemos identificar o problema através da presença de hematoma, nível da dor e da possibilidade de apoiar o peso corporal sobre a articulação lesionada.

Pacientes com entorse em grau I conseguem recuperar-se bem mais rápido e só sentem dor aguda inicialmente, depois de algumas horas essa habilidade retorna.

Entorse de Inversão

Esse é o mecanismo mais comum de entorse na prática esportiva, correspondendo a cerca de 85% a 90% dessas lesões. O mecanismo consiste em um movimento brusco que faz o tornozelo “rodar” internamente.

Quando a lesão ocorre através desse mecanismo ela acomete principalmente os ligamentos laterais. Também é possível que a entorse cause fraturas dos maléolos laterais e mediais.

Como proceder após uma Entorse de Tornozelo?

Quem trabalha com atletas ou já praticou atividades físicas competitivas sabe que parar o treinamento não costuma ser uma opção que passa pela cabeça do praticante. A maioria dos atletas realiza os primeiros procedimentos corretamente. Eles utilizam o gelo e geralmente aplicam algum mecanismo de compressão, tensores ou faixas elásticas.

O grande problema é que eles não realizam um tratamento apropriado após esses procedimentos.

Assim que ele sente alívio na dor aguda voltam ao treinamento. Essa prática aumenta o risco de entorses de repetição. O tornozelo permanece instável e o mecanismo da lesão não foi trabalhado. Ou seja, aquele indivíduo está fragilizado e precisa de tratamento.

Nas próximas lesões a pessoa ainda pode sofrer danos maiores à cartilagem por causa da instabilidade excessiva do tornozelo.

Passos após uma Entorse

Assim que uma entorse de tornozelo acontece você pode adotar os seguintes passos para garantir um retorno mais rápido à prática de atividades físicas.

1) Crioterapia

Os atletas já sabem na prática que gelo ajuda aliviar dores, principalmente no caso de lesões. Realmente, aplicar gelo é ótimo para quem sofreu uma entorse. Um artigo publicado no British Journal of Sports Medicine mostra que essa aplicação ajuda a melhorar a dor e o edema.

O protocolo de aplicação de gelo recomendado é de 10 minutos de gelo intercalado com 10 minutos de repouso. É melhor aplicar o gelo nesse protocolo do que aplicar por 20 minutos contínuo, pois o gelo contínuo gera uma vasodilatação profunda para suprir a diminuição da oxigenação superficial, tendo como efeito tardio, mais edema.

Sendo assim, aplica-se o gelo intermitente. Conseguimos usar a baixa temperatura para diminuir a dor, edema e inchaço, mas não é um tratamento definitivo, sendo apenas um paliativo.

2) Exercícios de Recuperação

Após a aplicação do gelo, muitos atletas escolhem imobilizar o tornozelo usando tensores, bracing, ataduras e até muletas. Porém, essa não é a estratégia mais recomendada. O melhor é iniciar exercícios para reabilitação da articulação lesionada assim que a dor aguda aliviar.

O tratamento com exercícios é a forma mais rápida de retornar às atividades cotidianas e físicas. Hoje em dia, pesquisas nos revelam que o movimento deve ser imediato, quanto menos imobilidade melhor.

Conclusão

Precisamos dar uma atenção especial a atletas que sofreram entorses de tornozelo por um motivo simples: eles tendem a ignorar o tratamento e querer voltar à atividade física de forma precoce.

Isso faz com que esses atletas aumentem a tendência de sofrer uma nova lesão, e, ainda mais grave.

Portanto, está na hora de adotar o tratamento correto após uma entorse de tornozelo. Além de adotar o gelo para melhorar a dor, também é importante utilizar exercícios que garantam a estabilidade articular e corrigir desvios de membros inferiores.

 

Bibliografia