Quem acompanha meu blog já percebeu que falo bastante sobre a ginástica hipopressiva. Essa técnica virou modinha depois que algumas celebridades virtuais fizeram propagando e a chamaram de técnica da barriga negativa. Ela realmente é ótima, mas não pelo motivo que a maioria imagina. Ao falar dela sempre chegamos na discussão do que dar preferência na nossa aula, hipopressiva ou exercícios abdominais?

O que é a Ginástica Hipopressiva?

Claro que antes de decidir isso, precisamos compreender melhor a ginástica hipopressiva (GAH). As técnicas de GAH são basicamente sequências cronológicas rítmicas de exercícios posturais que provocam a diminuição da pressão intra-abdominal (PIA) e intra-torácica. Se você quer entender mais sobre a pressão intra-abdominal e sua importância confira meu artigo completo sobre o assunto.

Essas posições levam a uma série de ativação automática de neurodivergências dos músculos do períneo e faixa abdominal. Ela também ajuda a normalizar as tensões dos músculos respiratórios, realizando um relaxamento simultâneo de grupos musculares antigravitacionais hipertônicos e estimula o sistema neurovegetativo simpático.

Vantagens da ginástica hipopressiva

Com o uso da ginástica hipopressiva conseguimos reduzir a pressão intra-abdominal e fortalecer os músculos internos do abdômen ao mesmo tempo. O períneo também torna-se mais forte com a prática. Quer mais vantagens? Praticar a GAH ajuda a diminuir a compressão dos discos intervertebrais da região lombar. Se o seu aluno sofre com dores lombares eles conseguirão um bom alívio da dor.

A musculatura do períneo que será fortalecida é responsável pela contração vaginal. Por estar mais forte, a sensação de prazer torna-se muito maior na hora do sexo, principalmente por ativar a circulação sanguínea local. Assim, conseguimos aumentar a sensibilidade da região.

Se praticarmos esses exercícios diariamente geramos a longo prazo uma série de benefícios:

  • Circuitos neuronais autoexcitadores em situação postural;
  • Uma importante ação respiratória por estimulação dos centros expiratórios do tronco cerebral (pneumotáxico e bulbar ventral);
  • Inibição dos centros inspiratórios (apneustico e bulbar dorsal).

Esta estimulação postural e respiratória induz uma tonificação por via reflexa do:

  • Assoalho pélvico (aumento em 85%)
  • Faixa abdominal (Caufriez, Fernanández, Deman e Wary-Thys, 2007)

Conseguimos essa tonificação graças à manutenção da apneia expiratória durante a execução dos exercícios. Isso provoca um estado próximo à hipercapnia (Hodges, Forster, Papanek, Dwinell e Hogan, 2002).

A ativação ou inibição dos centros respiratórios supraespinais permite modular a tensão postural do conjunto de músculos que com estes se relacionam (Rial e Villanueva, 2011).

Ginástica hipopressiva vs. Exercícios abdominais

Hoje em dia, temos diversos estudos demonstrando o efeito negativo dos exercícios abdominais clássicos (fásicos). Em geral, as críticas mostram um impacto negativo sobre o tônus do assoalho pélvico das mulheres e o impacto nas patologias de prolapsos pelvianos.

Os exercícios que geralmente são utilizados para fortalecer os músculos da região abdominal favorecem o aumento da pressão intra-abdominal. Como já sabemos, esse aumento de pressão cria um aumento de sobrecarga no períneo e na coluna. Ou seja, esse tipo de exercício não será completamente apropriado para alguns tipos de alunos.

Já a ginástica hipopressiva ajuda a aumentar o controle dos diferentes músculos abdominais. Ela estimula maior percepção da região abdominal e de seus órgãos, que é bastante necessária nas aulas de Pilates. Cada vez mais encontramos mais comprovação científica do possível uso terapêutico da GAH em patologias funcionais. As patologias relacionadas a “Síndrome de Deficiência Postural” (Martines da Cunha – Lisboa 1979). Alguns exemplos são:

  • Artralgias crônicas;
  • Dorsalgias;
  • Lombalgias;
  • Cervicalgias;
  • Ciatalgias;
  • Escolioses idiopáticas;
  • Fadiga crônica.

Como fazer ginástica hipopressiva?

Você só conseguirá esses benefícios para seus alunos caso consiga ensiná-los a realizar a ginástica hipopressiva da maneira correta. Por isso separei o vídeo abaixo para te ajudar a aprender uma das posições da GAH e entender melhor a técnica.
[vc_row][vc_column][vc_video link=”https://youtu.be/K0g4I9B-bYc” video_title=”1″][/vc_column][/vc_row]

Conclusão

A ginástica hipopressiva sem dúvida possui diversos benefícios para nossos alunos. Ela ajuda a melhorar a ativação de musculaturas abdominais Também conseguimos fortalecer o períneo e músculos do assoalho pélvico, o que faz da GAH uma aliada no tratamento e combate da incontinência urinária.

Vamos à resposta da pergunta do artigo. Para decidir isso você precisará analisar as necessidades do seu aluno e descobrir se um dos dois tipos de exercício é contraindicado. Não existe como dizer se devemos usar hipopressiva ou exercícios abdominais sem avaliação prévia.

Quer continuar aprendendo sobre ginástica hipopressiva? Confira meu artigo completo sobre essa importante técnica que complementa as aulas de Pilates.