Logo que você leu o título desse artigo deve ter pensado: “Eu não trabalho com o sistema gastrointestinal, o que a constipação intestinal tem a ver com minha área?” Para ser sincera, tem tudo a ver.

Antes de falar exatamente da relação da constipação intestinal com o movimento e, mais especificamente, com a hipopressiva, precisamos entender mais sobre o problema.

A constipação atinge cerca de 35 milhões de pessoas só no Brasil. No mundo todo estima-se que de 15% a 35% da população sofra com o problema. Ou seja, existem grandes probabilidades que um dos seus pacientes está nessas estatísticas. E se não está, eventualmente pode ser afetado pela condição.

O que é Constipação Intestinal? (e porque você precisa saber disso)

Existem diversos motivos que levam ao desenvolvimento da constipação intestinal. Eles incluem:

  • Fatores Psicológicos
  • Aspectos Nutricionais e da Dieta
  • Doenças Gastrointestinais como Síndrome do Intestino Irritável
  • Problemas do Assoalho Pélvico

Viu o assoalho pélvico na lista? Logo voltaremos à ele, agora o nosso foco é na constipação intestinal em si.

Esse problema é caracterizado por uma dificuldade nos movimentos intestinais. Isso gera uma série de sintomas e muito desconforto para o paciente que vão bem além daqueles expressados pelo intestino.

O indivíduo constipado tem dificuldade na excreção das fezes, sente dores abdominais e inchaço na região. Além disso, a constipação intestinal prejudica as funções hormonais do intestino, como você verá a seguir.

Outras Funções do Intestino

Apesar de ser conhecido pela função de excretar as fezes, o intestino está muito relacionado com as emoções. Ele é rico em neurônios e possui cerca de 100 milhões deles. Para você entender sua importância, a única região com mais neurônios no corpo é o próprio cérebro.

Cerca de 98% da serotonina é produzida e armazenada no intestino além de mais outros 30 neurotransmissores. Essas substâncias são produzidas nos neurônios e são responsáveis por transmitir informações.

A serotonina é essencial e, como vimos, está muito relacionada ao intestino. É ela que produz a sensação de felicidade. Portanto, ela controla ou influencia sentimentos como:

  • Depressão
  • Felicidade
  • Ansiedade
  • Tranquilidade
  • Agressividade
  • Raiva
  • Irritabilidade

Ela também auxilia no controle da dor. É por isso que existem tantos medicamentos para sua reposição. Eles são usados para tratar variadas doenças relacionadas à dor crônica. Até boa parte dos antidepressivos usados atualmente possuem serotonina na fórmula.

Agora imagine o impacto que o mau funcionamento do intestino, mais especificamente a constipação intestinal, tem no indivíduo e suas emoções. Pesquisas já comprovaram essa relação. Na verdade, o termo enfezado que é usado para falar de alguém mal humorado está relacionado a isso.

Boa parte dos indivíduos com mau funcionamento do intestino sofre de problemas emocionais. Além disso, a eliminação pouco eficiente das fezes levam a um aumento da pressão intra-abdominal (PIA) e todas suas consequências.

Exercício Físico é Essencial para os Intestinos

Uma das melhores maneiras de prevenir a constipação intestinal e outros problemas dos intestinos é praticar exercícios físicos. Parece que eles nada têm a ver? Então você está bastante enganado. Só preste atenção: esses exercícios não devem aumentar a PIA.

Muitas vezes a contração errônea do Power House tem o efeito contrário do desejado. Ele pode ajudar a aumentar a pressão intra-abdominal, perdendo todos os benefícios da prática do Pilates e outras atividades físicas.

Quando a PIA está aumentada a área do saco visceral é diminuída e tensão no transverso do abdômen aumenta. A hipopressiva auxilia a prevenir esse aumento patológico de pressões intracavitárias. Além disso, ela se mostra como uma aliada eficiente no tratamento da constipação intestinal.

Hipopressiva no Tratamento de Constipação Intestinal

As posturas sistêmicas utilizadas no método abdominal hipopressivo são ótimas para nossos alunos constipados. Ela leva a uma ativação de diversos grupos musculares, incluindo antagonistas do diafragma.

Além disso, sua prática diminui a pressão abdominal, que está relacionada ao mau funcionamento do intestino.

Precisamos lembrar que a hipopressiva é um método eficiente não só para tonificação, mas também reeducação de musculaturas do assoalho pélvico.

Como vimos no início desse texto, disfunções do mesmo são importantes origens de constipação. Em pacientes com pouco controle muscular sobre o assoalho pélvico, a hipopressiva ajuda a tratar problemas como a constipação. Ela também deve ser realizada como método preventivo tanto para problemas intestinais como outros, que incluem a incontinência urinária de esforço.

O aumento da PIA consequente da constipação vem principalmente da ação evacuatória do indivíduo. Uma pessoa com dificuldade para excretar as fezes contrai o diafragma para fazer força, comprime as vísceras e gera um aumento da PIA. Ao invés de ajudar no caso, isso só prejudica os movimentos intestinais.

Para ajudar nosso paciente precisamos aliviar essa pressão sobre as vísceras através da diminuição da PIA. O método hipopressivo é uma ótima opção. Também podemos utilizá-lo ao fim da aula para evitar as consequências de contrair o Power House de maneira errada.

Conclusão

A constipação intestinal é um problema comum que está relacionado a dificuldades do sistema gastrointestinal e até emocionais. Precisamos sempre lembrar que o intestino é o nosso segundo cérebro. Ele é rico em neurônios e realiza a produção de neurotransmissores importantes, como a serotonina.

Por isso, devemos sempre encontrar maneiras de trabalhar o corpo do paciente sem prejudicar o funcionamento dos intestinos. Isso significa evitar um aumento da pressão intra-abdominal. A hipopressiva é ideal tanto para a prevenção como tratamento de pacientes constipados.

Também é importante lembrar que somente as alterações na prática de atividade física não são o suficiente para solucionar o caso. O paciente que quer realmente se “curar” das dificuldades do intestino precisa realizar mudanças de hábitos de vida. Portanto, ele também deve buscar o acompanhamento de um profissional da nutrição.

Aliando os aspectos nutricionais e esportivos da sua rotina, é possível encontrar um melhor estado de bem-estar. Mesmo profissionais que não estão trabalhando com pacientes constipados, podem utilizar a hipopressiva como meio de prevenção.

Ela nos ajuda a impedir que o aumento acidental da PIA numa aula de Pilates, por exemplo, evitando que passe do estágio acidental para o crônico levando assim ao prejuízo a saúde dos intestinos de nosso aluno.

 

Bibliografia