Seu aluno sente dor lombar, realiza desvios dos membros inferiores ao correr ou apresenta dores ou lesões no joelho? Talvez a amnésia glútea esteja entre os culpados. Chegou a hora de aprender a tratar amnésia glútea e melhorar ainda mais seu atendimento.

Nesse artigo aprenderemos:

  • O que é Síndrome da Amnésia Glútea
  • Como acontece a Síndrome
  • Ativação de Glúteo Máximo vs. Isquiotibiais
  • Compensações geradas
  • Como tratar Amnésia Glútea

Continue lendo para tirar todas suas dúvidas sobre o assunto!

O que é Síndrome da Amnésia Glútea?

Pacientes com Síndrome da Amnésia Glútea são aqueles que perdem os movimentos naturais do glúteo máximo. Essa perda de movimentos funcionais pode acontecer por uma variedade de motivos que veremos mais à frente. Ao deixar de ativar o glúteo máximo corretamente, o corpo também perde:

  • Capacidade Funcional do Quadril
  • Tônus Muscular
  • Força Muscular

É sempre bom lembrar que o glúteo máximo possui importantes funções no corpo humano. Ele serve como nosso principal cíngulo de anulação de forças que percorrem o corpo e sem sua ativação ficamos incapazes de ativar um padrão motor correto que seria o ideal para bom desempenho e evitar lesões.

A Síndrome da Amnésia Glútea também gera:

  • Inibição das conexões neuromusculares naturais;
  • Uma fonte de compensações corporais inadequadas;
  • Ativações musculares errôneas.

Diversos movimentos naturais que usamos no dia-a-dia ficam prejudicados devido à Síndrome da Amnésia Glútea. Alguns exemplos são agachar, andar e correr. Tenho certeza que você tem um aluno que não consegue agachar ou que realiza desvios dos membros inferiores ao correr.

Pense em como isso é estranho já que nascemos com essas habilidades. Veja como as crianças brincam e realizam posições de agachamento perfeito. E ninguém ensinou essas crianças o padrão motor correto, na verdade, ele é inato.

A perda da função muscular do glúteo máximo ocorre ao longo da vida com nosso estilo de vida parado e sedentário.

A inibição ou atraso de ativação dos glúteos geralmente leva ao enfraquecimento muscular. Ela afeta o desempenho esportivo e diminui a força dos membros inferiores. Ou seja, alguém com o problema está muito mais propensos a lesões e até a desenvolver dores crônicas.

Glúteo Máximo

Para compreender como acontece e como tratar Amnésia Glútea precisamos compreender também o funcionamento do glúteo máximo. Esse é um músculo plano e robusto, o mais potente e volumoso da região glútea. É ele que nos mantém na postura ereta. Seus principais movimentos são:

Ações

  • Extensão
  • Rotação Lateral
  • Abdução do Quadril
  • Extensão do Joelho

Também é importante perceber que o glúteo máximo é o mais superficial, portanto também o mais estético, da região. Ele é responsável por produzir os movimentos de abdução do quadril. Isso acontece quando afastamos o fêmur da região central do corpo.

Seu principal movimento, no entanto, é a extensão do quadril. Ao movimentar o membros inferior para trás você está realizando uma extensão de quadril, movimento do qual o glúteo máximo é o motor primário. Existe mais um músculo que ajuda a realizar esse movimento: os isquiotibiais. É exatamente aí que percebemos uma das grandes compensações geradas pela amnésia glútea.

Glúteo Máximo vs. Isquiotibiais

O movimento de extensão de quadril é realizado por dois grandes grupos musculares: o glúteo máximo e os isquiotibiais. Esses músculos também podem estar por trás de muitos problemas em relação à ativação do glúteo máximo.

Já vimos que o glúteo máximo é o principal extensor do quadril, mas os isquiotibiais também são capazes de realizar o movimento. Dependendo do posicionamento especial e postura do indivíduo o posicionamento das suas fibras tornam o movimento até mais facilitado para essa musculatura.

As fibras do glúteo ficam em diagonal, e esse posicionamento é necessário para conseguir todas suas ações. Já os ísquios possuem fibras que ficam no sentido transversal. Mecanicamente, o sentido de suas fibras o faz parecer mais favorável para a extensão do quadril.

O movimento de extensão do quadril pode ser realizado pelos isquiotibiais facilmente, mesmo que seu motor primário seja o glúteo. É assim que o corpo resolve o problema de ter glúteos inibidos, parece uma ótima solução para a manutenção da estática. Infelizmente a resposta é deficitária a longo prazo.

Compensações geradas pela ativação de Isquiotibiais

Ao realizar a extensão de quadril utilizando os isquiotibiais aumentamos consideravelmente a extensão lombar. Assim surge um problema mecânico que pode ser mecanismo de formação da dor lombar inespecífica. Nem preciso te lembrar a quantidade de pacientes com dor lombar que atendemos, preciso?

Deduzimos que o principal papel dos glúteos seria empurrar o solo durante marcha, corrida ou manutenção da estática.

Assim o corpo é capaz de produzir sua força motriz. Para uma boa corrida, por exemplo, a extensão de quadril ideal é de 30º. Uma amplitude de movimento pouco satisfatória faz com que o tronco se incline para a frente para manter o centro de gravidade.

Conhece algum aluno que sofre com dor lombar depois da prática de atividades físicas ou corrida? Provavelmente ele está realizando esse tipo de compensação. Isso é bastante comum em corredores amadores que não realizam um programa de fortalecimento específico.

Sabemos que o glúteo máximo tem sua origem em sua face posterior junto as aponeuroses.

A principal aponeurose a qual o glúteo máximo está interligado é a fáscia toracolombar. Ela é uma estrutura contínua de tecido conjuntivo que se estende desde o sacro chegando até a região cervical.

Podemos dizer que a fáscia toracolombar é um elemento pertencente ao núcleo. Muitos músculos possuem continuidade de tensão presentes ao glúteo máximo. Vou citar alguns exemplos:

  • Grande Dorsal
  • Serrátil
  • Trapézio Fibras Inferiores
  • Isquiotibiais
  • Bíceps Femoral

Através do sistema de tensigridade corporal a contração ou relaxamento desses músculos aumenta ou diminui a tensão do glúteo. Existem aqui alguns mecanismos importantes responsáveis pela manutenção de nossa postura:

  • Tensão Fascial junto ao Glúteo Máximo
  • Sistema Hidropneumático

Isso quer dizer que alterações que acontecem no tronco também são responsáveis por uma ativação ou inibição dos glúteos. O inverso também é aplicável. Quando existe hiperativação ou inibição dos glúteos máximos é possível gerar dores na região do tórax. Lembre-se que essas regiões estão interligadas pela fáscia toracolombar.

Como tratar Amnésia Glútea

Tratar Amnésia Glútea
Para tratar a amnésia glútea e solucionar as compensações que citei, precisaremos de um tratamento adequado. Para isso é necessário trabalhar com ativação de glúteo e estabilidade do núcleo. Perceba que não basta simplesmente inserir exercícios de fortalecimento de glúteo máximo na aula.

Sim, trabalhar com ativação e fortalecimento de glúteo é uma parte importante do treino. Porém existem ações complementares para garantir sua ativação correta durante o movimento. A primeira delas é liberar a hiperexcitação do Psoas. Para isso é possível utilizar um alongamento ou liberação manual do Psoas.

Após realizar um bom relaxamento de Psoas é mais fácil conseguir que o aluno ative os glúteos. Isso acontece porque eliminamos a força opositora criada pelo Psoas, um músculo potente que também serve de antagonista do glúteo máximo. Nossos exercícios devem focar em:

  • Fortalecer o Núcleo (Power House ou Core)
  • Ativar o Glúteo
  • Anular a ação dos isquiotibiais quando possível

Quer uma dica?

Use exercícios em cadeia cinética aberta, eles são melhores para realizar ativação de glúteos sem ação de isquiotibiais. A miniband também é uma ótima ferramenta para tratar amnésia glútea já que incentiva a ativação dessa musculatura.

Conclusão

Tratar amnésia glútea é um dever de qualquer profissional que queira garantir um movimento eficiente e sem dores.

É comum encontrarmos alunos com glúteos inibidos, isso acontece devido à um estilo de vida sedentário e com pouco movimento. Sabendo disso, já percebemos que o movimento é provavelmente a melhor cura para essa inibição glútea.

Seguindo as dicas de tratamento que apresentei nesse artigo você será capaz de melhorar a ativação dos glúteos e também movimentos do alunos. Esse tipo de tratamento também é indicado para problemas como dor lombar inespecífica, que pode ser causada por amnésia glútea.

Quer saber mais sobre o problema e sua relação com a dor lombar? Confira meu artigo completo sobre o assunto acessando o link.

 

Referências

^ ] Lafond D, Normand MC e Gosselin G, Rapport force, Journal of Canadian Chiropractor Association 42 (2), 90-100, 1998. [^ B ] Vakos JP, Nitz AJ, Threlkeld AJ, Shapiro R e Horn T (1994): atividade eletromiográfica de músculos selecionados do tronco e quadril durante um elevador agachado. Spine 19 (6), 687-695. [^ B ] Noe DA, Mostardi RA, Jackson, ME, Porterfield JA e Askew MJ (1992): Actividade miioeléctrica e sequenciação de músculos de tronco seleccionados durante levantamento isocinético. Spine 17 (2), 225-229. [^ B ] Vleeming A, Van Wingerden JP, Snijders CJ, Stoeckart R e Stijnen T (1989): Aplicação de carga ao ligamento sacrotuberous; Influência na mecânica articular sacroilíaca. Biomechanics Clinical, 4 (4), 204-209. [^ B ] Snijders CJ, Vleeming A e Stoeckart R (1993): Transferência da carga lombo-sacral para os ossos e pernas ilíacos. Clinical Biomechanics 8, 285-294. [^ B ] Distefano LJ, Blackburn JT, Marshall SW, Padua DA, ativação do músculo glúteo durante exercícios terapêuticos comuns. J Orthop Sports Phys Ther. Jul; 39 (7): 532-40, 2009.[ ^ ] Moore KL, Dalley AF. Anatomia Clinicamente Orientada. Baltimore, MD: Lippincott Willliams & Wilkins; 1999.[^ B ] Jenkins D (1998): anatomia funcional de Hollinshead dos membros e costas. (7a ed.) Filadélfia; Londres; Boston: WB Saunders. [^ C ] Marzke MW, Longhill JM e Rasmussen SA (1988): função do músculo glúteo máximo e a origem da bipedalidade hominídea. American Journal of Physical Anthropology 77, 519-528. [^ C ] Shirley Sahrmann, Diagnóstico e tratamento de síndromes de comprometimento de movimento, Mosby, 2002. [^ B ] Irlanda ML, Willson JD, Ballantyne BT, et ai. Força do quadril em fêmeas com e sem dor patelofemoral. J Ortho Sports Phys Ther. 2003; 33: 671-676. [^ B ] Powers CM, Flynn T. Fórum de Pesquisa. Apresentado em: Reunião de Seções Combinadas da American Physical Therapy Association; Fevereiro de 2003, Tampa. [^ B ] Tyler TF, Nicholas SJ, Mullaney MJ, McHugh MP. O papel da função do músculo do quadril no tratamento da síndrome da dor femoropatelar. Am J Sports Med. 2006; 34 (4): 630-636. [^ B ] Cara L. Lewis, Shirley A. Sahrmann, Daniel W. Moran, anterior quadril força combinada aumenta com a extensão da anca, diminuição da força glútea, ou diminuição da força iliopsoas. Journal of Biomechanics, Volume 40, Número 16, 2007, Páginas 3725-3731 [^ B ] Hewett TE, Myer GD, Ford KR. Lesões do ligamento cruzado anterior em atletas do sexo feminino: Parte 1, mecanismos e fatores de risco. Am J Sports Med. 2006; 34: 299-311. [^ B ] Hewett TE, Myer GD, Ford KR, et ai. Medidas biomecânicas de controle neuromuscular e carga de valgo do joelho predizem risco de lesão do ligamento cruzado anterior em atletas do sexo feminino: um estudo prospectivo. Am J Sports Med. 2005; 33: 492-501. [^ B ] Irlanda ML. O ACL feminino: por que é mais propenso a lesões? Orthop Clin North Am. 2002; 33: 637-651. [^ B ] Friel K, McLean N, Myers C, Cáceres M. Ipsilateral hip abductor fraqueza após entorse de tornozelo inversão. J Trem Athl. 2006; 41: 74-78. [^ B ] Fredericson M, Cookingham CL, Chaudhari AM, Dowdell BC, Oestreicher N, Sahrmann SA. Fraqueza do abdutor de quadril em corredores de distância com síndrome da banda iliotibial. Clin J Sport Med. 2000: 10: 169-175. [^ C ] Leinonen V, Kankaapää M, Airaksinen O e Hanninen O (2000): Back e hip extensor atividades durante tronco flexão / extensão: efeitos da dor lombar e reabilitação. Arquivos de Reabilitação Médica Física 81, 32-37. [ ^ ] Vogt L, Pfeifer K e Banzer W (2003): Controle neuromuscular da caminhada com dor lombar crônica. Terapia Manual 8 (1), 21-28. [^ C ] Bullock-Saxton JE, Janda V e Bullock MI (1994): A influência da lesão de entorse do tornozelo na ativação muscular durante a extensão do quadril. International Journal of Sports Medicine 15: 130-134. [ ^ ] Freeman MAR, Dean MRE e Hanham IWF (1965): A etiologia e prevenção da instabilidade funcional do pé. Journal of Bone Joint Surgery 47: 578-685. [ ^ ] Burger H, Valencic V, Marincek C e Kogovsek N (1996): Propriedades do músculo glúteo máximo em amputados acima do joelho. Biomecânica Clínica 11 (1): 35-38. [ ^ ] Sean GT Gibbons e Mark J Comerford (2001) Força versus estabilidade: Parte 1: Conceito e termos. Revisão da divisão ortopédica. Março / Abril: 21-27 [ ^ ] Gibbons SGT 2005 Integrando os músculos psoas maior e profundo do músculo guteus maximus no modelo do cilindro lombar. Actas de: “The Spine”: Congresso Mundial de Terapia Manual. 7 a 9 de outubro de 2005, Roma, Itália. [^ B ] Vleeming A, Pool-Goudzwaad AJ, Stoeckart R, et al: A camada posterior da fáscia toracolombar: sua função na transferência de carga da espinha para as pernas. Spine 20: 753-758, 1995.[^ B ] Snijders CJ, Vleeming A, Stoeckart R, et ai. Biomecânica da interface entre a coluna e a pelve em diferentes posturas. Em: Vleeming A, Mooney V, Dorman T, et ai. Movimento, Estabilidade e Dor lombar. Edimburgo, Churchill Livingstone, 103-113, 1997. [ ^ ] Kankaanpää M, Taimela S, Laaksonen D, Hanninen O e Airaksinen O (1998): Back e hip fatigabilidade extensor em pacientes com dor lombar crônica e controles. Arquivos de 100 NZ Journal of Physiotherapy – Novembro de 2005. Vol. 33, 3 Physical Medical Rehabilitation 79, 412-417. [^ C ] Nelson-Wong E, Alex B, Csepe D, Lancaster D, Callaghan JP. Alterou o recrutamento muscular durante a extensão da flexão do tronco em desenvolvedores de dor lombar. Clin Biomech 27 (10): 994-8, 2012. [ ^ ] Janda V (1985) Dor no sistema locomotor – Uma abordagem ampla. Em Glasgow et ai. (Eds.) Aspectos da Terapia Manipulativa. Churchill Livingstone: 148-151 [ ^ ] PH Ferreira, ML Ferreira, e PW Hodges, “Mudanças no recrutamento dos músculos abdominais em pessoas com dor lombar: medida de ultra-som da atividade muscular”, Spine, vol. 29, n�. 22, pp. 2560-2566, 2004. [ ^ ] Richardson C e Sims K (1991) Um intervalo interno que comporta a contração como uma medida objetiva da função estabilizadora de um músculo antigravitacional. 11º Congresso Internacional da Confederação Mundial de Fisioterapia, Londres. [ ^ ] Wilson, J. Ferris, E. Heckler, A. Maitland, L. Taylor, C. Uma revisão estruturada do papel do glúteo máximo na reabilitação. New Zealand Journal of Physiotherapy, 2005, vol. 33; 3, páginas 95-100, 2005. [ ^ ] Lephart SM, Ferris CM, Riemann BL, Myers JB, Fu FH. Diferenças de gênero na cinemática de força e extremidade inferior durante o pouso. Clin Orthop. 2002; 162-169. [ ^ ] Comerford MJ, Estabilidade do núcleo: prioridades na reabilitação do atleta, SportEx Medicine 22, 15-22, 2004. [ ^ ] Zimmermann, CL, Cook, TM, Bravard, MS, Hansen, MM, Honomichl, RT, Karns, ST, Lammers, MA, Steele, SA, Yunker, LK e Zebrowski, RM (1994). Efeitos da direção e da cadência do exercício de step-stepping na atividade EMG de grupos musculares de membros inferiores selecionados. J. Orthop. Esportes Phys. Ther. 19, 173-180. [ ^ ] Stern, JT, Pare, EB e Schwartz, JM (1980). Novas perspectivas sobre o uso muscular durante a locomoção: estudos eletromiográficos de comportamentos rápidos e complexos. Geléia. Osteopata. Assoc. 80, 287-291. [ ^ ] McLay, IS, Lake, MJ e Cavanagh, PR (1990). Atividade muscular em execução. In Biomechanics of Distance Running (edição de PR Cavanagh), págs. 165-186. Champaign, IL: Livros da cinética humana. [ ^ ] Ayotte N, Stetts D, Keenan G., Greensway E. Análise eletromiográfica de músculos de membros inferiores selecionados durante 5 exercícios unilaterais de suporte de peso. J Orthop Sports Phys Ther. 2007; 37 (2): 48-55. [ ^ ] Zeller BL, McCrory J, Kibler B, Uhl TL. Diferenças de cinemática e atividade eletromiográfica entre homens e mulheres durante o agachamento de uma única perna. Am J Sports Med. 31 (3): 449-456, 2003. [ ^ ] Ekstrom R, Donatelli R, Carp K. Análise eletromiográfica dos músculos do tronco, quadril e coxa durante 9 exercícios de reabilitação. J Orthop Sports Phys Ther. 2007; 37 (12): 754-762. [ ^ ] Selkowitz DM, Beneck GJ, Powers CM, quais exercícios visam os músculos glúteos ao minimizar a ativação do tensor Fascia Lata? Avaliação eletromiográfica usando eletrodos de fio fino. J Orthop Sports Phys Ther. 2012 Nov 16. [ ^ ] Guskiewicz, K., S. Lephart, e R. Burkholder. “A Relação entre Velocidade de Sprint e Flexão de Quadril / Força de Extensão em Atletas Collegiate.” Isocinética e Ciência do Exercício. 3 (1993): 111-116.