O aluno incontinente que não é tratado, provavelmente vai parar com as aulas de Pilates num futuro próximo.

A incontinência urinária é um distúrbio que causa desconfortos e faz com que o indivíduo se limite cada vez mais para evitar a perda involuntária de urina. Porém, podemos usar o Pilates para incontinência urinária e acelerar o tratamento.

Que tal saber mais?

Como ocorre a Incontinência Urinária?

Uma pessoa saudável sequer percebe os complexos mecanismos envolvidos na micção. Para urinar o indivíduo precisa de um bom controle muscular, em especial do assoalho pélvico. Também entram em ação músculos da parede abdominal e respiratórios, como o diafragma.

Existem duas camadas do assoalho pélvico que atuam na continência: a superficial e a profunda. A superficial é o períneo, um tecido muscular que envolve órgãos genitais externos e o ânus. O períneo é formado pelos músculos:

  • Bulboesponjoso
  • Isquicavernoso
  • Transverso Superficial
  • Profundo Períneo
  • Esfíncter Uretral Externo
  • Esfíncter Anal Externo

Suas principais funções são controlar o fluxo da urina e também possibilitar o ato sexual. Em mulheres o períneo também atua durante o parto normal. A camada profunda do assoalho pélvico é formado pelos músculos:

  • Isquioscoccígeos
  • Levantadores do Ânus

Chamamos o conjunto dessas musculaturas de diafragma pélvico. Ele é responsável por sustentar as vísceras e mantê-las no lugar de acordo com as variações da pressão intra-abdominal.

Micção

A urina é produzida pelos rins através da filtragem realizada pelos ureteres. Após sua produção, ela chega à bexiga onde é armazenada. Ao chegar à bexiga, existe um relaxamento do músculo detrusor para acomodar o líquido. Essa é uma musculatura lisa que reveste toda a parede do órgão.

Alguns receptores detectam o estiramento da bexiga, gerando uma contração involuntária do esfíncter interno. Essa ação previne o esvaziamento acidental do órgão.

Os receptores têm sua excitação aumentada conforme a bexiga enche, fazendo com que o músculo gere reflexos de contração. Os reflexos permitem o controle voluntário do esfíncter externo e são eles que permitem resistência voluntária a urinar.

Na hora de realizar a micção, os músculos diafragma e da parede abdominal se contraem e aumentam a pressão intra-abdominal. Como resultado, músculos pubococcígeos passam por um relaxamento, o que desloca o colo da bexiga para baixo. O músculo detrusor se contrai a partir dessa ação.

Enquanto esses movimentos acontecem também existe a contração de fibras na uretra, expelindo a urina.

O indivíduo que tem problemas no sistema urinário é incapaz de realizar a micção de maneira voluntária. Ele também não consegue “segurar o xixi” durante as ações diárias, o que leva ao vazamento de urina.

Como usar o Pilates para Incontinência Urinária

A maioria dos alunos sente vergonha pelo seu estado de continência e evita mencionar ao instrutor. Você perceberá sinais durante a avaliação ou quando essa pessoa se recusar a fazer certos exercícios.

Ao perceber o caso, é importante adaptar sua aula para melhorar a ação do assoalho pélvico e do períneo e incentivar a continência urinária.

Os exercícios de Pilates para incontinência urinária são bastante recomendados como parte do tratamento. Eles possuem baixo impacto, o que diminui o estresse exercido sobre músculos já fadigados no caso da incontinência. Além disso, seu trabalho é harmonioso e auxilia o aluno a superar seus limites e restrições sem passar por um processo doloroso ou humilhante.

Praticar o Método Pilates ajuda a tonificar músculos do períneo e melhorar a sustentação da bexiga. A tendência é que o controle da urina melhore com o tempo de prática. Praticantes que ainda não têm o problema também conseguem realizar um ótimo trabalho preventivo.

Além de auxiliar no fortalecimento pélvico, o Pilates oferece diversos benefícios para o aluno. Ele ajuda a manter uma melhor postura e fortalecimento, além de flexibilizar musculaturas abdominais. Assim, também conseguimos tratar ou prevenir dor causada por instabilidade lombar.

Pilates para Incontinência Urinária em Idosos

Nossos alunos na terceira idade têm maior probabilidade de desenvolver incontinência urinária.

Felizmente, conseguimos trabalhar o assoalho pélvico do idoso através da prática do Pilates para incontinência urinária. Além de controlar melhor a micção, o idoso também consegue melhorar sua consciência corporal, equilíbrio e estabilidade.

Essas são habilidade essenciais para prevenir quedas e melhorar a independência do indivíduo. Devemos lembrar que com o processo de envelhecimento o idoso também passa por mais ocasiões de dores articulares e tendem a perder a autoconfiança.

O Pilates é capaz de recuperar sua funcionalidade e melhorar as atividades do dia a dia.

Devo incluir a Hipopressiva nas Aulas de Pilates?

Podemos deixar o tratamento com Pilates para incontinência urinária ainda mais completo através do uso dos abdominais hipopressivos.

Quando acontece uma contração do diafragma e da musculatura abdominal, o corpo também passa por aumento da pressão intra-abdominal. Numa situação normal ela se eleva para manter o posicionamento correto das vísceras.

Porém, esse aumento de pressão, quando combinado a músculos abdominais mal ativados, faz com que as vísceras sejam empurradas para baixo. Como resultado, os músculos do assoalho pélvico também se contraem.

O aumento da pressão intra-abdominal é um claro fator de risco para desenvolver a incontinência urinária e outros problemas dos órgãos pélvicos. Quando ela aumenta, o períneo tem sua atividade postural comprometida.

Tudo isso pode levar ao desenvolvimento da incontinência.

Ao compreender isso percebemos um grande problema. A vida moderna gera um aumento de pressão naturalmente e isso acontece desde que assumimos a bipedestação. Todo o conforto gerado para as atividades diárias levou a uma vida gerida cada vez mais pelo sistema nervoso parassimpático. Como resultado, surgiram diversas alterações no corpo.

O sedentarismo gerou uma nova distribuição de forças que também leva ao relaxamento da musculatura do assoalho pélvico. Os maus hábitos alimentares geram um aumento pressórico importante que também podem causar a incontinência.

Por isso devemos adotar métodos para diminuir a pressão intra-abdominal em nossas aulas de Pilates para incontinência urinária. Entre todos seus benefícios, a hipopressiva também diminui a PIA e fortalece o assoalho pélvico. Recomendo incluí-la ao final de todas as aulas de Pilates, especialmente ao trabalhar com alunos incontinentes.

 

Referências Bibliográficas
● 3  Balogh Z1, Jones F, D’Amours S, Parr M, Sugrue M. Continuous intra-abdominal pressure measurement technique. Am J Surg. 2004 Dec;188(6):679-84.
● 4 Barbic M, Kralj B, Cör A.Compliance of the bladder neck supporting structures: importance of activity pattern of levator ani muscle and content of elastic fibers of endopelvic fascia. Neurourol Urodyn. 2003;22(4):269-76.
● 5 Beales DJ, O’Sullivan PB, Briffa NK.Motor control patterns during an active straight leg raise in chronic pelvic girdle pain subjects. Spine (Phila Pa 1976). 2009 Apr 20;34(9):861-70.