Quem conhece e trabalha com Pilates jura que ele pode ser usado para tratar quase todas patologias musculoesqueléticas. Não vou tão longe a ponto de indicar a metodologia como uma cura mágica, mas ele é realmente excepcional.

Quando bem usados, seus exercícios de Pilates para reabilitação auxiliam em diversos tipos de alunos, como veremos a seguir.

Características do Método Pilates

Boa parte da eficiência do Pilates se deve às características únicas do método criado por Joseph Pilates. Ele usa uma série de exercícios, equipamentos e movimentos com o objetivo de melhorar o controle muscular. Por isso, sempre mencionamos que na sua prática o aluno não deve prezar pela velocidade ou quantidade de séries realizadas, mas sim pela qualidade do movimento.

Os princípios do Pilates são:

  1. Concentração
  2. Controle
  3. Centralização
  4. Respiração
  5. Fluidez
  6. Precisão

Quero focar um pouco nos princípios de controle, força e precisão. Eles significam que o aluno não deve realizar exercícios em força máxima com contração muscular excessiva como em outras modalidades. Na verdade, a força realizada no Pilates é certeira, feita somente no momento certo e na hora certa.

É por isso que ele é tão indicado para o tratamento de patologias.

Os exercícios envolvem contrações isotônicas concêntricas e excêntricas e contrações isométricas do Power House. Novamente tenho que enfatizar que a contração do Power House no Pilates não é questão de força.

Na verdade, uma boa contração dessas estruturas estabilizadoras está relacionada a tempo. Ativar o Power House no momento certo ajuda a realizar exercícios com segurança e menor compressão nas estruturas da coluna vertebral.

Além disso, os exercícios são realizados juntamente a respiração com uso do diafragma, transverso do abdômen, multifídios e assoalho pélvico. O Método realiza um importante trabalho com musculaturas profundas que são esquecidas ou mal trabalhadas em outras modalidades.

Quando usar o Pilates para Reabilitação?

Sabemos que o Pilates pode ser usado para tratar diversas patologias e lesões. Se você está começando na área e está em dúvida sobre quais tipos de pacientes pode atender, separei algumas ocasiões nas quais sua prática é benéfica.

O Pilates para reabilitação pode ser usado em diversos momentos, e quero adiantar aqui: podemos atender uma variedade enorme de problemas musculoesqueléticos.

Pilates em Gestantes

Para uma gestação saudável a mulher deve manter a prática de atividades físicas, apesar de permanecer sob supervisão médica. O Pilates surge como uma opção ideal para esse período delicado da saúde feminina.

Seus exercícios incluem movimentos de baixo impacto realizados com leveza e controle. Eles também auxiliam na respiração e fortalecem musculaturas profundas do abdômen do assoalho pélvico.

Através desse fortalecimento a mulher consegue prevenir problemas comuns após a gravidez como diástases abdominais e incontinência urinária.

Pilates para Idosos

Já mencionei nesse blog a importância de trabalhar o Pilates com nossos alunos da terceira idade. O processo natural de envelhecimento gera uma série de problemas, que inclui perda de fibras musculares e diminuição da coordenação corporal.

Como resultado, idosos são mais propensos a quedas e sofrem muito mais com seus resultados.

Quem usa Pilates para exercitar alunos idosos já está realizando um trabalho de prevenção a esses problemas. O Método recupera o controle corporal e postural, melhora a estabilidade e evita quedas. Ele também previne a perda muscular comum nessa faixa etária.

Em alguns casos podemos até usar Pilates para conter o desenvolvimento de doenças degenerativas como a artrite reumatoide.

Pilates para Pacientes em Pré e Pós-Operatório

Algumas vezes a patologia ou lesão é grave demais para ser resolvida somente com o tratamento conservador. Por acaso você pensava que o trabalho com Pilates estava terminado porque existe necessidade de cirurgia? Claro que não!

Praticar Pilates é excelente para quem está se preparando para uma cirurgia. O Método previne que o aluno permaneça em repouso absoluto e recupera a força, mobilidade e amplitude de movimento da articulação lesionada e articulações adjacentes.

Assim, o corpo do paciente torna-se mais preparado para a cirurgia.

Após o procedimento, praticar Pilates proporciona uma volta mais rápida às atividades diárias. Ele também é responsável por recuperar os movimentos articulares de maneira segura e sem danos adicionais à articulação.

Pilates para Alterações Posturais

Sabendo que o Pilates busca uma realização de movimentos precisos e corretos, já dá para imaginar que a postura é uma das primeiras características que corrigimos. Usar o Método para tratar desvios posturais é muito eficiente e tem ótimos resultados.

Podemos tratar problemas como escoliose idiopática, hiperlordose e hipercifose, por exemplo.

Através do fortalecimento e melhor mobilidade da coluna vertebral o aluno consegue manter uma postura correta com mais facilidade. Além disso, o método respeita as curvaturas fisiológicas da coluna e possui diversos exercícios para todos os níveis de alunos.

Pilates para Lombalgia

O Pilates já ficou bastante conhecido por auxiliar no tratamento da dor lombar. Considerando que esse é um problema que atinge boa parte da população e uma das principais causas de afastamento do trabalho, o Método é bastante relevante.

O Pilates trabalha musculaturas estabilizadoras da coluna ao mesmo tempo que mantém sua mobilidade. Ele também proporciona um ótimo trabalho respiratório e correção postural que contribuem para os resultados do tratamento.

Pilates para Reabilitação e Prevenção em Atletas

Alguns atletas consideram que seu treinamento competitivo é o suficiente, mas estão muito errados.

Os movimentos esportivos são fontes comuns de lesões por overuse de articulações como o ombro. Além disso, a natureza de cada esporte pode fazer com que o atleta realize a maioria dos movimentos com certos grupos musculares e nem um só plano de movimento.

Trabalhar com Pilates ajuda a prevenir lesões já que ele trata desequilíbrios musculares e fortalece o corpo de maneira global. Seus movimentos também são realizados em diversos planos e eixos, garantindo a saúde das articulações.

Conclusão

Perceba, conseguimos utilizar o Pilates para reabilitação no tratamento de diversas patologias.

O Método é extremamente versátil e benéfico para praticamente qualquer tipo de aluno. É claro que para conseguir o máximo de seus resultados também precisamos investir numa ótima avaliação.

É através dela que você consegue compreender os principais desequilíbrios do aluno, determinar as causas da patologia e adaptar os exercícios.