Como já vimos em outros artigos sobre o assunto, a cintura pélvica é o local onde existe a anulação de forças de peso normal e solo. Ela é feita pela junção dos ilíacos e do sacro, formando a articulação sacroilíaca.

A sacroilíaca é responsável por transferir cargas dos membros inferiores para a parte superior do corpo e para a sínfise púbica. Também gostaria de lembrar que a sínfise púbica é a região onde o púbis de um lado se articula com o púbis do lado oposto.

Na região medial do forame obturado o púbis se junta ao ísquio e na parte lateral ele fica voltado para os membros inferiores. Nessa região temos a inserção de diversos músculos da coxa.

Na face póstero inferior do ísquio também temos fortes inserções ligamentares e musculaturas. Essa é a região do tubérculo isquiático. Outra estrutura óssea importante é o acetábulo, formado pela fusão dos seguintes ossos:

  • Ilíaco
  • Ísquio
  • Púbis

O acetábulo é aprofundado por um anel de fibrocartilagem para melhorar a estabilidade nos movimentos e diminuir o impacto nas estruturas ósseas.

Diferenças entre Pelve Feminina e Masculina

Ao falar de parto é impossível tocar no assunto das diferenças entre a pelve masculina e feminina. As duas pelves são similares, mas existem ligeiras diferenças entre elas que são bastante importantes.

A pelve menor masculina é mais profunda que a feminina. A abertura superior da pelve masculina é mais estreita e a inferior menor. A feminina é mais larga e tem um tamanho maior, já que ela será necessária para a gravidez e o parto.

Papel do Assoalho Pélvico na Gravidez

O assoalho pélvico é uma estrutura formada por músculos, ligamentos e fáscias que encerram a pelve. Esses músculos podem pertencer à camada superficial e profunda do assoalho pélvico.

A camada superficial é conhecida como períneo e é feita pelos órgãos genitais externos e o ânus. Aí está mais uma diferença entre as estruturas masculinas e femininas, no homem ela tem início na bolsa escrotal e segue até o ânus. Na mulher, tem início na vulva e segue até o ânus.

Os seguintes músculos se encontram na camada superficial:

  • Bulboesponjoso
  • Isquicavernoso
  • Transverso Superficial
  • Profundo Períneo
  • Esfíncter Uretral Externo
  • Esfíncter Anal Externo

Suas principais funções incluem manter o fluxo urinário. Eles também são responsáveis por permitir o ato sexual, promover a ereção do pênis e do clitóris, ejaculação e contrações da vulva durante os orgamos. Existe mais uma função essencial das musculaturas do assoalho pélvico na gravidez: participar do trabalho de parto.

A camada profunda do assoalho pélvica é formada pelos músculos:

  • Isquioscoccígeos
  • Levantadores do Anus (Puborretal e Pubococcígeo)
  • Levantador da Próstata e Pubovaginal
  • Iliococcígeo

Ao juntar esses músculos temos o diafragma pélvico. Uma de suas funções é sustentar os órgãos internos, por isso eles permanecem contraídos constantemente.

Quando existe um aumento de pressão intra-abdominal, como na tosse ou espirro, também acontece uma contração rápida e um aumento de tensão nos músculos. O objetivo desse reflexo é manter os órgãos em suas posições normais.

Esses músculos também possuem esfíncteres que devem permanecer fechados. Eles só se abrem com o relaxamento dessa musculatura para permitir a urinação e defecação.

Ilíacos no Parto e Pós-Parto

Ao explicar todas essas relações do corpo feminino e suas musculaturas com a gravidez e o parto, queria realmente era chegar aqui. Existe uma relação muito importante dos ilíacos e seus movimentos com o ciclo reprodutivo da mulher. Seus movimentos são extremamente importantes, especialmente no período pós-parto.

Após o parto, o corpo feminino precisa realizar uma série de adaptações por causa do vazio deixado na região abdominal depois do nascimento do bebê. Essa parte da cavidade abdominal precisa reduzir-se para se ajustar ao novo volume e restabelecer as pressões internas.

Assim, os ilíacos dão início ao seu processo de fechamento.

O que muitas vezes esquecemos de considerar é a relação que o estado emocional e psicológico da mulher tem com o fechamento ilíaco. O método GDS de Cadeias Musculares e Articulares nos dá uma importante visão sobre o assunto. O método global da fisioterapeuta belga Godelieve Denys Struyf ajuda a integrar o funcionamento do corpo e o comportamento psicológico.

Considerando isso, conseguimos perceber que durante certo tempo as mulheres darão prioridade ao ciclo materno, casa e filhos. Esse tempo varia e pode levar até alguns anos, tendo iniciado no período de fechamento dos ilíacos no pós-parto.

Durante esse período, o corpo feminino terá suas cadeias musculares de flexão evidenciadas e num comportamento de enrolamento. Ele acontece para abraçar seu mundo afetivo.

Ao fim desse tempo, a mulher volta-se para seu mundo exterior, incluindo atividades profissionais e físicas. Com seu novo estado de espírito ela passa pela ação das cadeias de abertura ou cadeias PM de madame Godelieve. Essa atitude mostra um desejo de relacionar-se além da vida materna que é refletido pelo seu corpo.

Em mulheres nessa fase vemos modificações da pelve que se reestrutura em abertura. Isso também implica na provável postura de abertura dos ilíacos.

Problemas relacionados às Cadeias de Abertura e Fechamento

Algumas mulheres procuram equilibrar as duas facetas, o ciclo materno e o mundo exterior.

Existe a possibilidade de ela ser bem-sucedida, mas provavelmente existirão problemas. Se a mulher tiver pontos de tensão ou de fixação, cicatrizes e aderências no corpo, ela terá dificuldades. Esses problemas estruturais puxam o corpo para valorizar as cadeias de fechamento.

Por causa das suas tensões internas, a mulher passa por períodos de grande fadiga. Ela precisa despender muita energia já que seu corpo está com as cadeias tensionadas.

Essa tensão também se espalha para os músculos do assoalho pélvico e existe o fechamento inferior dos ilíacos para piorar o quadro.

Conclusão

A pelve e o assoalho pélvico possuem funções essenciais durante a gestação e o parto.

Quem trabalha com esse público deve manter-se atento a alterações posturais ou das cadeias musculares, especialmente relacionadas ao estado emocional da mulher.

Como vimos, no período após o parto o fechamento dos ilíacos também proporciona uma tendência para vantagem das cadeias musculares de fechamento. Algumas mulheres podem sofrer com tensões, lesões e patologias por essa forte tendência para a tensão das cadeias de fechamento.

Bibliografia
  • CONTRIBUIÇÃO À ANATOMIA – ESTUDO MORFOLÓGICO DO ASSOALHO PÉLVICO
  • EM MULHERES ASSINTOMÁTICAS: USO DA IMAGEM POR RMN.
  • CONTRIBUCIÓN AL ESTUDIO ANATOMO-MORFOLÓGICO DEL SUELO PÉLVICO EN LA MUJER ASINTOMÁTICA: UTILIZACIÓN DE LA IMAGEN POR RMN.
  • Marcel Caufriez1, 2, 3, 4, Juan Carlos Fernández Domínguez5, Benjamin Bouchant4, Marc Lemort6 y Thyl Snoeck1, 4, 7.
  • Université Libre de Bruxelles1. Bruxelles. Belgique. Universidad Castilla-la-Mancha2. Toledo. España. Universitat Gimbernat3. Barcelona. España. Laboratoire de Physiologie environnementale et occupationnelle4. Bruxelles. Belgique. Universitat Illes Balears5. Palma de Mallorca. España. Institut Jules Bordet6. Bruxelles. Belgique. Vrije Universiteit Brussel7. Bruxelles. Belgique.