Sistema Nervoso Entérico: nosso segundo cérebro?

Sistema Nervoso Entérico: nosso segundo cérebro?

O trato gastrointestinal possui um sistema nervoso próprio, o sistema nervoso entérico (SNE), localizado em toda a parede intestinal, começando no esôfago e estendendo-se até o ânus.

Esse sistema possui uma complexa rede de neurônios, capazes de agir de forma independente com relação ao encéfalo, desempenhando uma função autonômica na liberação de substancias digestivas e nos movimentos peristálticos.

Esses neurônios intestinais, são capazes de produzir neurotransmissores importantíssimos para a regulação do trato gastrointestinal e também para a sensação de bem estar.

Podemos citar alguns deles: acetilcolina (excita a atividade gastrointestinal), noradrenalina (inibe a atividade gastrointestinal), além da dopamina e da farta produção de serotonina, neurotransmissores responsáveis pela sensação de bem estar e prazer, mas também importantes para o bom funcionamento dos órgãos desse sistema.

Divisões do Sistema Nervoso Entérico

O sistema nervoso entérico é dividido em:

Plexo mioentérico

Disposto entre as camadas musculares no sentido longitudinal e circular, controlando quase todos os movimentos gastrointestinais, participando no controle da atividade muscular, aumentando assim o tônus da parede desse trato, a intensidade de contrações e a velocidade de condução das ondas excitatórias. 

Plexo submucoso

Localizado na camada submucosa do TGI, controlando a secreção gastrointestinal e o fluxo sanguíneo local. Esse plexo interage com os sinais sensoriais originados do epitélio gastrointestinal, auxiliando no controle da secreção intestinal local, na absorção local e na contração local do músculo submucoso.

Mesmo funcionando de uma forma independente de nervos extrínsecos, os plexos desse sistema também fazem interação com o sistema nervoso simpático e parassimpático, inibindo ou potencializando as funções gastrointestinais  

Sistema Nervoso Entérico e o Sistema Nervoso Central

A comunicação entre o sistema nervoso entérico e o sistema nervoso central acontece através do nervo vago, conhecido também como nervo pneumogástrico. É o décimo par de nervo craniano, misto e essencialmente visceral, que percorre o pescoço e o tórax, terminando no abdome.

É uma estrutura nervosa que desempenha funções reguladoras, associada também ao bem estar integral do nosso organismo. Uma vez atuando como uma ponte de comum icação entre os dois sistemas, central e entérico, fica claro entender que, estados de estresse podem causar desequilíbrios intestinais, afetando nossas emoções.

E, consequentemente, nosso comportamento, pois as células nervosa do intestino, assim como as do cérebro, produzem neurotransmissores que podem afetar nosso estado de humor. 

O nervo vago também informa ao sistema nervoso central quando comer e quando estamos saciados, ou quando esse mesmo conjunto de fibras nervosas oferece ao sistema nervoso central a sensação de prazer quando se consome o alimento que gostamos.

Sistema Nervoso Entérico e a Serotonina

A serotonina é um neurotransmissor responsável por várias funções corporais, e também desempenha funções no sistema gastrointestinal. Estudos revelam que 90% da serotonina encontrada no organismo vem do intestino.

Por ser um neurotransmissor ligado ao bem estar, níveis aumentados de estresse, podem levar a uma diminuição desse neurotransmissor, e uma vez que o sistema nervoso entérico é sensível a esses estados, gerará mudanças no organismo.

Sistema Nervoso Entérico e a Microbiota Intestinal

A Microbiota intestinal (flora intestinal) é um complexo de micro-organismos (bactérias) que vivem no trato gastrointestinal e ajudam no metabolismo da digestão, na absorção de vitaminas e ainda contribuem para fortalecer o sistema imunológico, mas que também podem provocar efeitos em determinadas áreas do nosso cérebro.

Em 2011 na Irlanda, cientistas realizaram um experimento com ratos e puderam comprovar que, a bactéria lactobacillus rhamnosus encontrada em iogurtes, eram capazes de alterar o comportamento desses ratos.

Os que foram alimentados com o iogurte contendo essa bactéria, tiveram o dobro de disposição para realizar o percurso dentro do labirinto e também ficaram mais relaxados, pois em exame de sangue foi possível analisar que eles tinham 50% menos corticosterona, uma substância ligada ao estresse, e uma melhora na porcentagem do GABA (ácido gama- aminobutirico) um neurotransmissor inibidor do sistema nervoso central, que ajuda a conter a ansiedade.

Desse experimento podemos concluir que, o sistema nervoso entérico, considerado nosso segundo cérebro, pode alterar os níveis de várias substâncias no nosso organismo através das células nervosas que são influenciadas por bactérias encontradas em vários alimentos e, que por sua vez podem influenciar o nosso sistema nervo central.

Como dito anteriormente, essa ponte de comunicação estabelecida entre esses dois sistemas, ocorre através do nervo vago, fato comprovado nesse experimento, pois os ratos analisados tiveram seu nervo vago cortado, e o iogurte contendo a bactéria lactobacillus rhamnosus, deixou de fazer efeito.

Um outro estudo realizado com seres humanos em 2013 na Califórnia, também foi possível comprovar que, as alterações causadas no sistema digestivo podem provocar alterações no sistema nervoso central.

Nesse estudo 36 voluntárias foram divididas em três grupos: primeiro grupo tomou um iogurte com quatro tipos de bactérias ao longo de um mês; o segundo grupo consumiu uma bebida com gosto de iogurte, mas que não continha as mesmas bactérias do primeiro grupo; e o terceiro grupo não consumiu nada, mantendo a dieta alimentar como de costume.

Através de exame de ressonância magnética, o cérebro das participantes foram analisados antes e depois do experimento, e o resultado foi revelador.

As bactérias ativaram algumas áreas do cérebro que processam sensações, emoções e funções cognitivas no nosso corpo: diminuição da atividade no lobo da insula (região ligada ao sistema límbico que desempenha algumas funções como, coordenar quaisquer emoções e também responsável pelo paladar) e diminuição da atividade na área do córtex somatossensorial (que processa sensações no corpo como tato, temperatura, dor e outros sentidos).

Além de aumento nas conexões entre a substância cinzenta periaquedutal (principal núcleo de controle na modulação da dor) e o córtex pré-frontal (região relacionada com o planejamento de comportamentos e pensamentos, expressão da personalidade, tomadas de decisões e modulação do comportamento social).  

Conclusão

Chamado de nosso “segundo cérebro” o sistema nervoso entérico vem desempenhando muitas funções além das quais concluíamos que fosse apenas o processo de digestão dos alimentos.

É um sistema independente, capaz de produzir neurotransmissores que atuam no sistema nervoso central através da comunicação estabelecida pelo nervo vago, e muito sensível a estados de estresse e emoções, capaz de regular inúmeras funções para manter o bem estar do nosso organismo. Portanto, o nosso “segundo cérebro” não pensa, mas sente. Cuidemos bem dele!

Tecido Fascial: Tudo o que você precisa saber sobre o assunto

Tecido Fascial: Tudo o que você precisa saber sobre o assunto

Quando falamos no tecido fascial o grande desafio para o profissional do movimento é sair do movimento mecânico, pois o mesmo não explica o conceito das fáscias.

Entendendo que a resposta é neural, ou seja, a partir do sistema nervoso autônomo, e não pelas propriedades mecânicas do tecido conjuntivo.

Quer saber mais sobre o assunto? Continue lendo!

No que consiste o trabalho fascial

O objetivo do trabalho fascial é favorecer a transmissão de tensão e não alongar, isto só poderá ser realizado através do toque mínimo, límbico, gerando resultados mais rápidos, devemos fugir do estímulo viscoelastico.

Porque esse princípio, gerara ganho de flexibilidade momentâneo, porém ele se perderá ao longo de pouco tempo. Quando alongamos algum músculo do corpo, estamos trabalhando na resposta aferência e eferência com as fáscias. Mais profundamente a fáscia profunda e epimisal.

Estudos de anatomia, de Stecco dizem que a maior parte dos tendões do corpo são inseridos para transmitir tensão, 40% do tendão do bíceps não insere na cabeça do rádio, saindo do conceito que tendão somente está ligado ao osso, este tendão está inserido na fáscia antibraquial anterior que é tecido fascial e não ósseo.

Parte dos tendões do corpo seguem este conceito, chamado de bandas fasciais (massetosfibrossos) para transferência de tensão do bíceps para a mão e vice e versa. A fáscia e contínua, ela continua por todo o corpo.

O princípio da fáscia e a Biotensegridade, onde a matriz extracelular a todo momento está em tensão ativa na fáscia e não no músculo, como pensávamos anteriormente, ela se comporta de forma dinâmica e adapta o indivíduo o tempo todo para aumentar as chances de sobrevivência com o máximo de economia energética. A isto damos o nome de tônus miofascial, que é o somatório das forcas ativas, mais passivas do corpo.

Os estudos de Guimbertau

Em estudos um médico francês e osteopata chamado Jean Claude Guimbertau, com indivíduos vivos e anestesiados, observou a fáscia viva e seu comportamento, concluindo que a fáscia não segue um padrão linear, cartesiano, newtoniano, quando colocado no tecido vivo e realiza o movimento, pesquisado em nível microscópico, ela se remodela conforme a necessidade/ tensão do sistema, a biotensegridade.

Após os estudos de Guimbertau uma janela se abriu, perante conceitos que quebram drasticamente vários paradigmas anteriores.

O tecido conjuntivo é composto por células e sua matriz extracelular. Presente em todas as células e tecido fascial do corpo, sendo um tecido de conexão.

O que mantém esta tensão e a manutenção da Biotensegridade é a dinâmica dos líquidos, que são os componentes das células de musculatura lisa soltas na matriz extracelular e água, esta matriz liga todo o corpo a maioria dos receptores neurais do corpo, células modificadas que mandam informações por axônios, as aferências sobem informando o corpo como ele está.

Nas células existem dois pontos os fibroblastos, miofibroblastos, osteoblastos, condroblastos, condroclastos. Separadas por células fixas e células móveis.

As células móveis têm liberdade de transitar neste rio que é o tecido conjuntivo. Estes líquidos vão para todo o corpo, são células do sistema imunológico. Havendo um bom fluxo da matriz extracelular em especial os líquidos do tecido linfático e do tecido conjuntivo, temos uma boa chegada das células de defesa do corpo.

Já na matriz extra celular, não temos células, temos água, a famosa substancia fundamental Amorfa (não tem forma é líquido), em conjunto com o ácido hialurônico que é um, glicosamino, proteoglicano e glicosaminoglicano não sulfatado.

Ele tem a propriedade de atrair água para o tecido fascial, porém com a aglomeração de várias de moléculas de acido hialurônico, formando várias macromoléculas, acontecendo a diminuição dos fluidos e tensão do todo sistema (densificação).

Manobra de Creeping

Stecco e colaboradores, em seu método diante uma densificação no tecido, geramos um processo inflamatório local, quebrando assim, as grandes moléculas de ácido hialurônico, melhorando a transmissão de tensão da matriz extracelular.

A esta manobra dá-se o nome de Creeping que age na matriz extracelular, quebrando assim, as grandes moléculas. Este processo inflamatório será tratado pelo movimento.

Na matriz temos ainda proteínas estruturais que são o colágeno, em maior abundância, além da reticulina e a elastina.

Para dor aguda tem que se mexer, subaguda mexer ainda mais e para dor crônica movimentar é fundamental, a dor é multifatorial e o movimento é essencial para esta questão multifatorial.

OS riscos da falta de mobilidade

A falta de mobilidade deixa o corpo doente. Quem remodela colágeno no corpo é o movimento. A célula que produz o colágeno são os fibroblastos, o colágeno tem uma vida útil, em média de 300 dias no corpo, o movimento, a tensão ou não produz o colágeno. Automaticamente ele é destruído ou renovado.

O fibroblasto produz tudo o que a matriz extra celular precisa.

O Colágeno, a proteína mais importante do corpo representa 60% a 70 % da massa total do tecido conjuntivo, cerca de 25% a 30% de massa total de proteínas dos mamíferos, eles são remodelados e são produzidos através de tensão e quem os produz são os fibroblastos.

O colágeno se dispõe na matriz extracelular de forma ondulada e na prática é preciso realizar a pré tensão (leve estiramento) para ativar a fáscia, ativar os mecanorreceptores. 30% das fibras se renovam com 6 meses e 75% das fibras tem uma renovação total em 2 anos.

A Dor Lombar

Paul Hodges, criador da estabilização segmentar, visão mecânica e rotulador, hoje já se respeita a visão multisistemica. Em um dos estudos verificou a alteração no córtex frontal, quem tem dor lombar e alteração no padrão do movimento.

Pessoas com dor lombar não acontece a antecipação do movimento, ativação do transverso e do multifídeo. Existe a reprogramação do córtex frontal, o principal responsável pelo movimento.

Constatou se em pesquisa que o corpo precisa de movimento e não bloqueio ou isolamento muscular. Entendendo que o corpo é uma unidade. Pessoas com alteração crônica, tem problemas em mais de um sistema.

Quando os fibroblastos são tensionados/esticados, eles são multiplicados por mitoses e quando comprimidos sofrem apoptoses, eles morrem, estudos em vivos comprovam este achado.

Parte Citológica

Na parte citológica, nós temos os microtúbulos rígidos que não tem contato, um com outro e que são ligados por cadeias flexíveis que geram tensão, são filamentos proteicos contráteis, são os microfilamentos, proteínas com poder de contração com comunicação com os microtúbulos que transmitem um campo eletromagnético dentro da célula, também existem os filamentos intermediários e os miofilamentos de actina. Este conjunto é o citoesqueleto celular. O comportamento celular se dá de forma igual ao meio extracelular.

Temos uma célula, um meio extracelular onde estão os colágenos e na membrana celular, temos uma proteína chamada Integrina, ela capta tensão do meio extracelular, dos fibroblastos, miofibroblastos e células de musculatura lisa, que ficam soltas na matriz extracelular, contrai e tensiona o colágeno.

Este colágeno chega na integrina, quando ela recebe o estímulo de aumentar tensão ela abre a membrana e deixa entrar cálcio dentro da célula.

Este mecanismo chamado de mecanotransdução, e gerado por uma tensão mecânica é alterado o componente químico por conta da entrada de cálcio, logo os miofilamenos contrateis dentro da célula, atingindo o núcleo celular e está tensão celular que faz o DNA produzir tudo que o meio extra celular está precisando, como por exemplo, colágeno para o movimento.

Se for alterado a tensão extracelular, tensão passiva de repouso (tônus miofascial), altera-se a tensão que chega dentro do núcleo, alterando toda a programação do DNA da célula. Esta ciência chama-se epigenética.

Alterações comportamentais as formas das tensões do corpo que vão alterar a tensão que chegam ano núcleo celular remodelando todo o meu sistema.

Conclusão

A cada dia, novas pesquisas, destroem antigos conceitos e nos comprova que a importância do tecido fascial e muito maior do que imaginávamos.

7 curiosidades que você precisa saber sobre a Jornada Sul-Americana de Pilates

7 curiosidades que você precisa saber sobre a Jornada Sul-Americana de Pilates

Se você já me acompanha, com certeza já deve ter ouvido falar na Jornada Sul-Americana de Pilates. Mas você sabe o que torna esse evento tão especial?

A Jornada Pilates é um evento realizado todos os anos, em um hotel em Gramado no Rio Grande do Sul. Em três dias de pura imersão no Pilates, você adquire conhecimentos dos maiores palestrantes nacionais e internacionais do Método. 

Isso sem contar a oportunidade incrível de conhecer pessoas novas da área e desfrutar todos os encantos de uma das cidades mais charmosas do Sul do país. 

Em 2020, a Jornada Sul-Americana de Pilates estará em sua sétima edição e irá acontecer entre os dias 08 e 10 de maio. 

Por isso, para te deixar ainda mais por dentro do assunto, preparei esse texto com 7 curiosidades que você precisa saber sobre esse evento tão extraordinário! Vamos lá?

1. Mais de 1.500 congressistas

A primeira edição da Jornada Sul-Americana de Pilates aconteceu em  2014 e de lá para cá, mais de 1.500 congressistas já participaram do evento. 

Com instrutores de todas as regiões do Brasil, você tem a oportunidade de realizar um super networking, compartilhando e recebendo muitos conhecimentos sobre o Método Pilates. 

Cada edição possui o número limitado de apenas 320 vagas, proporcionando assim,  um momento exclusivo e com foco total em aprendizados para cada participante.

2. Os maiores nomes do Pilates nacional e mundial como palestrantes

A Jornada Sul-Americana de Pilates sempre traz palestrantes de autoridade para ministrar os workshops. E o mais legal disso tudo, é que eles também se hospedam e circulam no mesmo ambiente que o seu. 

Nomes internacionais e de referência para o Método já passaram pela Jornada, como por exemplo, Lolita San Miguel, Kathy Corey, Elizabeth Larkam e Deborah Lessen. 

Além dos especialistas brasileiros como Adriana Coldebella, Thalyssa Laranjeiras, Keyner Luiz e Marlon Bluner. 

3. Palestras exclusivas

Todos os conteúdos ministrados pelos palestrantes durante a Jornada Sul-Americana de Pilates são inéditos, eles foram pensados e planejados exclusivamente para o evento.

Com o objetivo de proporcionar uma imersão e uma visão 360° do Método, os workshops abordam diversos temas entre princípios, reabilitação e muita prática de exercícios utilizando diferentes acessórios e equipamentos. 

Isso sem contar que você tem o palestrante ao lado executando, auxiliando e corrigindo todos os movimentos.

4. Prêmio Contrology

Prêmio Contrology ou mais conhecido como Oscar do Pilates, é uma Cerimônia de Premiação que acontece em uma noite célebre da Jornada Sul-Americana de Pilates. 

Com o intuito de trazer reconhecimento aos profissionais que trabalham com o Método Pilates na América do Sul, e principalmente no Brasil, o prêmio nomeia através de uma votação aberta, os destaques do ano em seis categorias: Profissional do Ano, Revelação, Destaque Científico, Studio de Sucesso, Destaque Sul-Americano e Influenciador Digital.

Em um jantar memorável, você pode comemorar ao lado dos vencedores do Prêmio e também de todos os palestrantes. A noite termina com uma banda ao vivo em momento de muita emoção e divertimento.

5. Evento mais charmoso

A Jornada Sul-Americana de Pilates  acontece em Gramado, uma das cidades mais elegantes e charmosas da Serra Gaúcha. 

Além de vivenciar dias intensos imerso no Método Pilates, você tem a oportunidade de aproveitar o turismo que conta com belíssimas paisagens, clima europeu, arquitetura encantadora e uma culinária deliciosa.

6. Hotel mais tradicional

A hospedagem e todo o evento é realizado no consagrado Hotel Serra Azul que está localizado no centro da cidade, próximo a mais de 40 atrações a pé, e também possui uma excelente infraestrutura com áreas de piscina, academia, sauna aquecida e ambiente de descanso com lareira.

A diária inclui café da manhã e mimos, como chocolate quente na recepção e bombons oferecidos todos os dias em seu quarto. 

7. Itens Inclusos

Ao aderir a Jornada Sul-Americana de Pilates você garante não só a hospedagem e a participação nos workshops, mas também certificação pelo Grupo VOLL, camiseta exclusiva, Coffee Break, bloco de anotações e acesso aos materiais de todos os palestrantes. 

Ah, e os primeiros inscritos além de tudo isso, pode ganhar condições especiais de valores e brindes diferenciados sem nenhum custo adicional.

Separador Jornada Sul-Americana de Pilates

Você já viu que a Jornada Sul-Americana de Pilates é  um evento imperdível, né? 

As inscrições da Jornada 2020 serão oficialmente abertas no dia 15 de Julho. Então faça parte da lista VIP e receba todas as informações em primeira mão!