Durante a avaliação estática do aluno deveremos observar diversos aspectos do aluno. Os primeiros fatores a chamar a atenção estão relacionados a sua postura, alinhamento das articulações, desvios na coluna e outros sinais claros de um desequilíbrio. Mas existe mais um fator importante que muitos ainda esquecem na hora de avaliar: as cicatrizes.

Observando um corpo em busca de desequilíbrios musculoesqueléticos podemos até imaginar que as cicatrizes não têm importância. É só um sinal na pele de algo que já passou, certo? Mas lembrem-se, nosso corpo possui memória e mesmo problemas passados podem continuar influenciando no presente.

Quer baixar um ebook completo sobre Avaliação Postural gratuitamente? Clique aqui para baixar

Ainda na avaliação estática nossos olhos atentos percorrerão pelo corpo do avaliado buscando por cicatrizes. Barral foi o primeiro a afirmar em suas pesquisas que uma cicatriz de má formação em sua teia de matriz cicatricial poderá alterar o funcionamento mecânico de um corpo. Logo se faz de extrema necessidade que em nossa avaliação busquemos por essas cicatrizes que podem estar intoxicando o sistema musculoesquelético.

O que são cicatrizes tóxicas

importancia das cicatrizes tóxicas para avaliação estática

Essas cicatrizes capazes de alterar o funcionamento mecânico corporal são chamadas de cicatrizes toxicas. Elas acontecem depois de ferimentos ou intervenções cirúrgicas. Elas ficam em constante reação com estímulos internos e externos.

Cicatrizes tóxicas podem induzir uma contratura muscular do músculo em questão. Ela também pode modificar o tecido conjuntivo e o líquido extracelular que o circunda. Ela se comporta como uma área reativa denominada de “campo perturbados”.

Geralmente encontramos cicatrizes tóxicas em algumas partes específicas do corpo, como:

  • Face;
  • Laterais do tronco;
  • Medianas da parede anterior do abdômen.

Entre todos os formatos de cicatrizes podemos considerar as horizontais como as mais reativas.

Apesar de existirem cicatrizes tóxicas nem todas são. Podemos ter uma cicatriz grande em sua extensão e não representar nenhuma disfunção corporal. O tamanho não determina se a cicatriz é tóxica ou não. Também podemos ter uma pequena cicatriz que está desencadeando modificações teciduais no conjuntivo. Ela também pode causar uma desregulação exteroceptiva, implicando um obstáculo na correção postural.

A pele é o maior órgão do corpo humano, está dotada de muitas terminações nervosas livres. Dentre elas encontramos grande quantidade de exteroceptores como por exemplo:

  • Órgãos de Ruffini;
  • Discos de Merkel.

Atuando também como mecanorreceptores, eles são extremamente sensíveis. Por exemplo em uma cicatriz anterior de tronco provoca uma projeção anterior do corpo buscando relaxar o estiramento do exteroceptor, a fim de que haja um ajustamento no tônus muscular.

A pele é um dos maiores órgãos do corpo humano exposto ao meio ambiente, está sujeita a uma troca continua de informações. Quanto este sistema de entrada é perturbado por uma cicatriz, sua função e capacidade de interação com o ambiente interno e externo ficam prejudicadas.

Cicatrizes tóxicas na avaliação estática

avaliação estática com cicatrizes

Algumas dicas podem ser importantes no momento de avaliar se a cicatriz é tóxica (patológica) ou não.

Aspectos de uma cicatriz normotrófica:

  • Coloração: próxima ao tom da pele.
    • Textura fina.

    Aspectos de uma cicatriz tóxica:

  • Coloração: tons de vermelho, variando entre tons claros e escuros – e acastanhado;
    • Retrações;
    • Quelóides;
    • Alto relevo;
    • Trofismo: atrófica, hipertrófica.

Mas esta avaliação ainda não se faz o suficiente para obtermos a assertividade se estamos diante de uma cicatriz capaz de se tornar um bloqueio à correção postural ou não; assim seguem duas técnicas a fim de assegurarmos sobre sua toxicidade.

Avaliação das cicatrizes

1. Baseado na cinesiologia aplicada:

Elegeremos qualquer músculo do corpo para o teste. Aqui, vou exemplificar usando o músculo bíceps braquial. O cotovelo do avaliado estará em flexão e uma das mãos do avaliador estará na face anterior do antebraço do avaliado a fim de resistir o movimento em direção a função do músculo escolhido para o teste.

Solicitaremos que o avaliado faça uma força em sentido da flexão de cotovelo, enquanto o avaliador resiste o movimento. Durante esta resistência, o avaliador toca suavemente com sua outra mão, a cicatriz do avaliado. Caso o avaliado perca sua força, permitindo então que seu cotovelo seja levado em direção a extensão; o teste será positivo. Ou seja, estaremos diante de uma cicatriz tóxica. Caso, ao tocar a cicatriz, não haja alteração na resistência aplicada ao músculo, estaremos diante de uma cicatriz não tóxica.

2. Baseado no Teste de Pulsologia de Nogier (Teste de Reação autonômica circulatoria):

Teste do Pulso Radial:

O avaliador toca o pulso radial do avaliado suavemente com o dedo indicador e dedo médio. Percebe por poucos segundos esta pulsação. Com a outra mão, o avaliador realiza um toque suave em toda a extensão da cicatriz.

Caso, ao tocar a cicatriz, houver diminuição* ou desaparecimento da amplitude do pulso, estaremos diante de uma cicatriz tóxica.

Caso ao tocar a cicatriz, houver manutenção da amplitude do pulso, estaremos diante de uma cicatriz não tóxica.

*A diminuição da onda do pulso é gerada por uma desregulação humoral, através da secreção do hormônio adrenalina que se liga ao receptor Beta 2 nos vasos das artérias musculoesqueléticas, provocando vasodilatação, portanto redução da amplitude da onda do pulso.

Caso estejamos diante de uma cicatriz toxica teremos antes de trabalhar para a melhora da matriz cicatricial afim de que nossos ganhos posturais sejam mantidos. 

Conclusão

Durante uma boa avaliação estática precisamos saber observar todas as características do corpo. Isso inclui as cicatrizes que podem ser tóxicas ou não. Dependendo da cicatriz ela causa desequilíbrios na região ao redor, podendo ser o motivo de uma tensão muscular e diversos outros problemas.

Ao identificar uma cicatriz no seu aluno você precisará realizar alguns testes para descobrir se é tóxica. Depois será necessário trabalhar durante a aula para garantir os melhores resultados.