O Conceito Hipopressivo compreende um conjunto de posturas estáticas e dinâmicas em que a via que as potencializará é o meio expiratório. Através da apneia expiratória, o organismo trabalhará com hipercapnia (presença excessiva de dióxido de carbono CO2 no plasma sanguíneo).

Isso faz com que o sistema nervoso autônomo simpático e parassimpático trabalhem o tempo todo para a regularização do organismo. O método busca ainda a liberação da dopamina, um neurotransmissor liberado pelo sistema nervoso simpático que desempenha importantes funções no organismo.

Qual a função do Sistema Nervoso Autônomo?

O Sistema Nervoso Autônomo é dividido em simpático e parassimpático. Ambos controlam o funcionamento automático do nosso organismo – e tem funções opostas.

O SNA parassimpático é responsável pelo controle visceral do organismo em repouso, e o SNA simpático é responsável pelo estado de alerta, denominado reação de “luta/fuga”. Encarregado pelo aumento das demandas metabólicas, preparando o organismo para um determinado estado de estresse.

Ativação do SNA através do MAH

O Método Abdominal Hipopressivo busca a ativação do SNA simpático durante toda a prática aplicada ao aluno. Além da apneia expiratória, as posturas estáticas e dinâmicas adotadas durante as aulas serão primordial para manter o sistema ativo.

Acarretando, assim, na liberação da dopamina (DA), um neurotransmissor responsável pelo bem estar físico e mental, liberado durante a prática de atividades e exercícios físicos.

A dopamina é um neurotransmissor que desempenha importantes funções no organismo, liberada a partir de situações agradáveis ou exercícios físicos. Quando liberada desencadeia impulsos nervosos que levam a uma sensação de prazer e bem estar.

Conceito de Neurotransmissor

Um neurotransmissor é uma molécula sinalizadora do sistema nervoso central secretada pelas porções terminais dos neurônios, que desempenhará funções de inibição ou estimulação, de acordo com o seu receptor. 

A dopamina pertence à família de catecolaminas de neurotransmissores. Além da dopamina, essa família inclui a norepinefrina (noradrenalina) e a epinefrina (adrenalina).

As catecolaminas do SNC modulam a função da neurotransmissão de ponto a ponto e afetam processos complexos, como humor, atenção e emoção. A DA é sintetizada no citoplasma de um neurônio a partir da tirosina, um aminoácido neutro percursor de todas as catecolaminas.

Em seguida é transportada no interior das vesículas secretoras para armazenamento ou liberação.

Os efeitos da Dopamina no Sistema Nervoso

A DA desempenha uma série de funções no nosso organismo a partir da sinalização nos seus respectivos receptores. Esses receptores dopaminérgicos possuem funções metabotrópicas, que desencadeará um processo de sinalização intracelular, gerando assim um evento celular.

Possuímos inúmeros receptores dopaminérgicos presente em várias estruturas do nosso organismo, onde a dopamina irá sinalizar inibindo ou estimulando uma determinada ação celular.

Os receptores dopaminérgicos são divididos em dois grandes grupos, os receptores D1/D5 que estimulam uma determinada ação celular no tecido em questão, e os receptores D2/D3/D4 que atuam inibindo os eventos celulares.

Os neurônios dopaminérgicos em sua maioria originam-se em várias áreas do cérebro, e seguem por vias ou tratos diferentes. Podemos destacar três vias principais, a via nigroestriatal, maior trato de DA no cérebro.

Essa via projeta-se na parte costal da substância negra, e os neurônios dopaminérgicos da via nigroestriatal atuarão nos gânglios da base promovendo uma série de eventos para desencadear uma resposta motora fina.

Medialmente à substancia negra no mesencéfalo, temos a área tegmental ventral (ATV) ou via mesolímbica, um agrupamento de corpos celulares dopaminérgicos que possui conexão com o sistema límbico. Nessa via a sinalização dos efeitos da dopamina estarão envolvidas com outros neurotransmissores, principalmente a serotonina.

Esse trato desempenha um papel importante no sistema de comportamento motivado a recompensa, cognição, sensação de bem-estar, auto realização e na regulação do afeto. Temos ainda a via túbero-infundibular, localizada na região do hipotálamo.

A dopamina liberada nessa região regula a secreção da prolactina. E a área postrema, localizada no assoalho do quarto ventrículo, conhecida como um dos órgãos circunventriculares que atuam como quimiorreceptores sanguíneos. Os neurotransmissores liberados nessa área implicam no controle de náuseas e vômitos.

Relação da Dopamina com o Método Abdominal Hipopressivo

hipopressiva no tratamento de diástase abdominal

De um modo geral, quando praticamos o método abdominal hipopressivo, ativamos centros cerebrais que estimularão os nervos simpáticos para a liberação de seus neurotransmissores.

A noradrenalina, percursora da adrenalina, que irá preparar o corpo para as ações adotadas durante o método, e a dopamina, que atuará através da via mesolímbica, proporcionando assim sensações de bem estar e prazer durante e após a prática dos exercícios hipopressivos.

Logo no início da aula, o sistema nervo simpático já começa a ser ativado através da apneia expiratória e dos exercícios posturais, e aproximadamente após 28 minutos já teremos os efeitos da dopamina circulando por todo nosso organismo, desempenhando seu papel nos seus respectivos receptores.

Como na prática de uma atividade ou um exercício físico de baixa intensidade, no MAH, também é possível ativar a liberação dos efeitos da dopamina sem que aja a produção de resíduos metabólicos, ou seja, sem a produção do ácido lático, o grande causador das dores musculares, sintetizado a partir da queima da glicose sem a ação do oxigênio na prática de exercícios de alta intensidade.

Nos exercícios hipopressivos, a musculatura corporal será trabalhada através da isometria, nas posturas estáticas e nas posturas dinâmicas, com movimentos de baixa intensidade, adaptando-os às necessidades de cada aluno, buscando assim a melhora postural e em consequência melhora da função respiratória, sexual, sistêmica e metabólica.

Para cada aferência exteroceptiva nosso organismo recebe sete aferências interoceptivas relacionado as vísceras. Durante a prática do MAH, nós alteramos essas aferências internas, e mandamos essas informações ao nosso sistema nervoso central através do nervo vago, um nervo que percorre grande parte do nosso organismo, e que faz parte do sistema nervo autônomo parassimpático.

Uma vez ativo o sistema nervoso simpático, o nosso organismo buscará após algum tempo equilibrar as ações estimuladas por esse sistema, a partir da atuação do sistema nervoso parassimpático, que atuará normalizando as respostas de reação de luta e fuga.

Por isso, sentimos aquela sensação de realização, bem estar e relaxamento no decorrer e no final da aula, resultado ocasionada pela liberação dos neurotransmissores do sistema neurovegetativo simpático e parassimpático, equilibrando todo o nosso sistema corporal.

Um Método Abrangente

Como podemos ver, o conceito hipopressivo é muito mais do que uma simples técnica para gerar a tão famosa barriga negativa.

É um método abrangente, com exercícios hipopressivos capazes de normalizar as tensões dos músculos respiratório, promover o relaxamento simultâneo de grupos musculares antigravitacionais hipertônicos, buscando a estimulação do sistema neurovegetativo simpático, para a síntese de neurotransmissores e hormônios associados ao bem estar.

Além disso, estudos recentes vem demonstrando que, a prática de atividades e exercícios físicos aumentam a proliferação de neurônios, a síntese de fatores neurotróficos, glicogênese, sinaptogênese, regula sistemas de neurotransmissão e neuromodulação, além de reduzir a inflamação sistêmica.

Todavia, o MAH se torna um método de exercício abrangente, porque trabalha o aluno de uma forma global, atuando na parte física e sistêmica.

É um exercício de baixa intensidade que pode ser usado na forma de prevenção e reabilitação, porque trabalha no conceito de normalizar as pressões intracavitárias, promovendo assim um equilíbrio em todos os sistemas corporais, respiratório, músculo esquelético, visceral e sistema nervoso, gerando uma melhor qualidade de vida.

Conclusão

Atualmente compreendemos a saúde como um conjunto de ações, hábitos e condições que proporcionam o bem estar físico e mental do ser humano. Sabemos que a prática de atividades ou exercícios físicos são capazes de promover a síntese de neurotransmissores e hormônios capazes de desencadear reações de bem estar e prazer.

Os efeitos da dopamina gerados a partir da prática do Método Abdominal Hipopressivo, é livre de resíduos metabólicos e atua diretamente na via mesolímbica, desencadeando inúmeros benefícios ao organismo, regulando ações relacionada ao humor, memória, atenção, prazer, recompensa e bem estar. Praticar o MAH é gerar uma melhor qualidade de vida!

Bibliografia
FERREIRA, V. C; GOIS, S.R; GOMES, L,P; BRITTO, A; AFRANIO, B; DANTAS, M. H. E. Nascidos para correr: A importância do exercício para a saúde o cérebro. Aracaju-SE, 2017.
STANDAERT, G. D; GALANTER, M.J. Princípios de Farmacologia: Farmacologia da neurotransmissão dopaminérgica. 3ª edição:  Guanabara Koogan LTDA, 2018.