As primeiras cadeistas musculares que trouxeram para seus métodos as questões psico-comportamentais foram:

  • Madame Godelieve Denys-Struyf criadora do método que leva as iniciais de seu nome G.D.S.;
  • Madame Thérèse Bertherat discipula de Madame Mezieres que trouxe para as cadeias musculares de Mezieres as primeiras ligações comportamentais e corporais.

Neste artigo apresentarei a vocês um pouco do trabalho e da história desses dois grandes nomes da fisioterapia mundial.

Madame Godelieve Denys-Struyf G.D.S. (1960/1970)

Madame Godelieve Denys-Struyf é fisioterapeuta e osteopata. Nasceu no antigo Congo e lá viveu até seus 16 anos em uma fazenda de cacau. Sendo de família Belga, retornou à Bélgica e matriculou-se na Escola de Belas Artes de Bruxelas. Lá ela deveria refinar seu dom de retratista nata.

Quer baixar um ebook completo sobre Avaliação Postural gratuitamente? Clique aqui para baixar

Como desenhista sempre tentava passar aos seus alunos mais tarde que já como terapeuta aprender a ver.

Suas Cadeias são musculares e articulares. Denys-Struyf, fisioterapeuta e retratista, concebeu um conjunto de posturas designativas de estados:

  • Psicofísicos;
  • Personalísticos específicos;
  • Idiossincráticos.

Eles surgiram baseados em pressupostos teóricos de alguns métodos, como por exemplo:

  • A Facilitação Neuro Muscular Proprioceptiva;
  • A linha Mézièrista;
  • A percepção da coordenação motora.

Todos possuem como ponto em comum acreditar que o tecido muscular é um conjunto indissociável: o tecido fibroso.

Método de facilitação neuromuscular proprioceptiva

O Método de Facilitação Neuromuscular Proprioceptiva, foi desenvolvida por Kabat em meados de 1950. Foi o primeiro a considerar a solidariedade dos músculos como reestruturação do movimento. Criou vários exercícios combinados e com bases em espirais baseados em padrões primitivos.

Seu objetivo era através do reflexo de estiramento realizar a estimulação de mecanismos neuromusculares através da estimulação de seus proprioceptores. Assim, era possível reestruturar o movimento. O método trabalhava os grupos musculares de forma isolada, mas já no conceito de globalidade.

Cadeias musculares e articulares GDS

As Cadeias Musculares e Articulares GDS acreditam no conceito de que nossa atitude postural é a forma de nosso corpo derivada de uma multiplicidade de fatores: desde a genética até o psiquismo e o comportamento.

Há seis famílias de músculos que dão ao corpo a possibilidade de se expressar. A cada uma dessas famílias corresponde uma tipologia psico comportamental.

Entretanto, elas podem, em consequência de uma constância de tensão, aprisionar o corpo em uma determinada tipologia. Isso dificulta sua adaptabilidade mecânica e comportamental. Então, torna-se fonte de sofrimento. Neste momento, configuram-se no corpo cadeias de tensão musculares.

Em seu método considera que os problemas posturais podem não ser iniciados em músculos isolados. Agregou outros fatores negligenciados por muitos fisioterapeutas, como fatores ligados a totalidade psicomotora e vivência que é individual.

As causas de lesões no aparelho locomotor estão associadas a impulsão global do corpo na eretabilidade. Cada impulsão é o que determinam nossos gestos. Por sua vez, a repetição desses fixam nossa tipologia, que é única para cada indivíduo.

Cada um possui sua tipologia morfocomportamental, porém em quantidade e qualidade variáveis para cada um. Alguns músculos podem expressar um autêntico impulso interior para expressar um comportamento exigido pelas circunstâncias.

Godelieve, enxergava seu paciente como uma amálgama da tipologia basal com a tipologia adquirida, nesse amálgama estão:

  • O hereditário;
  • O genético;
  • O racial;
  • O cultural;
  • O familiar;
  • O profissional;
  • O social.

No centro desse quadro, o projeto pessoal da forma e do comportamento desenvolvidos ao longo da vida.

O método das cadeias osteoarticulares e músculos aponeuróticas e suas técnicas de correção foram desenvolvidos entre os anos de 1960 e 1970.

Abordagens de Godelieve

  • Método de leitura corporal, gestual e das formas para delimitar o psico fisiológico do indivíduo que proporciona a nós fisioterapeutas identificar seus pontos fortes e fracos.
  • É um método de conscientização visando a utilização harmoniosa do corpo para preservação de sua mecânica.
  • Godelieve falava em esculpir um corpo vivo.

Segundo Godelieve, o psiquismo deixa seu sinal num simples gesto. Nasce daí a forma corporal, e, por conseguinte, marcas no corpo.  Outro fator de influência seriam as vivências do indivíduo: trabalho, esporte, cirurgias, sedentarismo etc.

A biotipologia seria então o resultado entre as características genéticas e a vivência do indivíduo.

A falta de elasticidade encontrada em determinados músculos pode ser gerado por excesso de atividade em uma cadeia muscular. Caso apareçam daí movimentos descoordenados, a cadeia dominante fixa essas deformidades corporais.

As cinco estruturas psicocorporais

  • Cadeias Anteromedianas- AM

A atividade preferencial das cadeias anteriores e medianas AM está associadas à afetividade, ao sensorial, à necessidade de ser amado. As cadeias AM são responsáveis pelo bom posicionamento de D8 e da ancoragem do corpo. Estas, com a sua necessidade de toque, têm um papel fundamental na construção do ego e da consciência corporal.

A cadeia AM é constituída pelos seguintes músculos:

  • Períneo;
  • Reto abdominal;
  • Peitoral maior em suas porções inferior e média;
  • Triangular do estern;
  • Intercostais médios;
  • Subclavicular;
  • Escaleno anterior;
  • Porção esternal do esternocleidomastóideo;
  • Hióideos anteriores do pescoço;
  • Músculos da estrutura bucal.

Percebam que os músculos citados estão envolvidos com o enrolamento corporal. Eles são essenciais para poder manter o equilíbrio de um tronco que se encontra inclinado para trás e a cabeça em protrusão, além do apoio nos calcanhares.

Comportar-se em AM é viver em espera, limitando o imprevisível, se apoiando na experiência e no bom senso. Constrói seu futuro com base nas suas aquisições do passado.

AM é afetiva, sentimental e de natureza sensorial. Na postura AM de um indivíduo pode estar o resultado de sua escolha comportamental. Também pode estar em defesa, em situação de carência, sem, no entanto, favorecer seu bem-estar. A postura AM está ligada a busca pela mãe.

  • postura am de madame godelieve denys-struyf Cadeias Posteromedianas- PM

A atividade preferencial das cadeias posteriores e medianas PM está associadas à necessidade de ação, de realização e desempenho. Levam a uma atitude em propulsão. As cadeias PM têm um papel primordial na manutenção da verticalidade, freando a queda do corpo para frente.

A cadeia muscular PM tem como seus principais músculos:

  • Paravertebrais do segmento lombar e dorsal;
  • Grande dorsal;
  • Iliocostal.

A cadeia PM termina nas estruturas aponeuróticas, que se estendem do occípto até a região orbicular. Ao contrário da cadeia AM, o equilíbrio encontrado empurra o corpo para frente. Os apoios são no ante pé, a coluna lombar se posicionará em hiperlordose, ou pelo menos uma anteversão da pelve que flexionará o quadril em busca do centro gravitacional. Já a coluna cervical estará em extensão, o que pode leva-la ao longo prazo em grande sofrimento.

Comportar-se em PM é uma expressão de uma motivação e de uma escolha. Sentir-se realizada nessa expressão psicocorporal, sendo então projetado para o futuro, e com escolhas de agir nesse futuro. São pessoas orientadas para o progresso, o êxito de um projeto, a superação e a competição.

Essa personalidade gera, por outro lado, se o sucesso não for atingido, uma tendência a dispersar-se e se desconcentrar, desestabiliza-se, torna-se ansiosa, fisicamente frágil e se dilui psiquicamente.

O passo seguinte será de um corpo basculado para frente, quando a estrutura oposta AM está em carência. Ele coloca forças antagônicas em ação que não se coordenam mais.

Assim perante PM há AM, o indivíduo entrará em sofrimento. A proposta de Godelieve é muito honesta e é chamada de igualização das tensões e uma desescalada das forças que se opõem. Essa cadeia está ligada a busca pelo pai.

postura pm de madame godelieve denys-struyf3-Cadeias Posteroanteriores e Anteroposteriores- PA e AP

As três atitudes são subtensionadas muscularmente por uma mesma motivação: a necessidade de ser, da construção da individualidade e da busca do ideal em todos os níveis. Dois encadeamentos musculoaponeuróticos se subtensionam gerando essas três atitudes. No seu funcionamento fisiológico elas devem alternar suas respectivas atividades para manter:

  • Ritmo respiratório;
  • Equilíbrio das massas;
  • Eixo vertical;
  • Centro de gravidade.

As cadeias posteroanteriores PA entram em atividade na fase inspiratória e as cadeias anteroposteriores AP, na expiratória. Quando essas duas cadeias perdem a sua alternância fisiológica, é gerada a atitude PA-AP. Essa cadeia é responsável pela manutenção da postura estática dentro do polígono de sustentação.

  • Cadeia Principal

  1. O grupo das sentinelas do eixo vertical são PA (músculos profundos da coluna vertebral posteriores):
    1. Transversários profundos;
    2. Intertransversários;
    3. Interespinhosos;
    4. Pequenos músculos occipito-atlas e axiais.

Anteriores:

  • Pré-vertebrais;
  • Longo do pescoço;
  • Reto abdominal;
  • Pequeno reto abdominal.

Eles são responsáveis pela extensão axial.

  1. O grupo dos músculos respiradores pressores, são PA-AP.

São os músculos que participam diretamente da dinâmica respiratória, músculos que agem diretamente sob as diferenças de pressões entre as cavidades torácicas e abdominais:

  • Supracostais;
  • Intercostais externos;
  • Diafragma;
  • Transverso do abdômen;
  • Intercostais internos (PA AP-AL);
  • Intercostais médios (PA AP-AL-AM).
  1. São os músculos reguladores do centro gravitacional, são essencialmente AP:
    1. Esplênios;
    2. Quadrado lombar (no plano frontal).
    3. Escalenos médios e posteriores;
    4. Psoas (nos três planos).
  1. posturas de madame godelieve denys-struyfGrupo dos músculos de transição: pertencem a AP-PL-AL.
    São os músculos que ligam PA AP as cadeias musculares horizontais que se prolongam ao longo do tronco, formando um sistema de socorro respiratório.

PL:

Inspiração forcada

Estabilizam a escápula:

  • Angular;
  • Romboide;
  • Trapézio médio.

Inspiradores:

  • Serrátil anterior;
  • Pequeno serrátil posterior-superior

AL:

Expiração forçada:
  • Serrátil menor póstero-inferior;
  • Intercostais internos juntando-se a cadeia AM através dos intercostais médios.

Músculos que ligam a cadeia principal do tronco às cadeias secundárias do plano horizontal:

  • Ilíaco aos membros inferiores;
  • Peitoral menor aos membros superiores.

PA-AP: ereta na inspiração e relaxada na expiração.

Essa dupla de estrutura corporal oferece ritmo a estática humana com a respiração.

Em harmonia AP-PA ou PA-AP, conforme uma expressão corporal está unida. Quando separadas, sem oferecer esse ciclo oscilatório, estarão frágeis.

Por um lado, a aparência de fragilidade em PA-AP, e por outro, a energia da vida em AP-PA.

Essas cadeias obedecem a lei do mínimo esforço.

Comportar-se em PA isolada, se manifesta por rigidez psico comportamental.  Já uma AP isolada, é manifestada pela falta de energia, alguém à deriva.

  • Cadeias Anterolaterais

A atividade preferencial das cadeias anteriores e laterais AL está associada a um modo relacional preferencialmente introvertido. É caracterizado por uma seleção diante das trocas com o meio.

Essas cadeias favorecem a adução, a flexão e a rotação interna da raiz dos membros, gerando uma atitude de recolhimento e podendo, no excesso, chegar a achatar o corpo no próprio eixo.

postura al de madame godelieve denys-struyf5-Cadeias Posterolaterais

A atividade preferencial das cadeias posteriores e laterais PL estão associadas a um modo relacional preferencialmente extrovertido. É caracterizado pela necessidade de entrar em comunicação. Essas cadeias favorecem a abdução e a rotação externa das raízes dos membros, gerando uma atitude desdobrada.

postura pl de madame godelieve denys-struyfTratamento

Livrar o corpo dessas cadeias de tensão e padrões psicológicos, além de proporcionar ao paciente a consciência do seu eu corporal.

Madame Godelieve foi mais longe que Bertherat, também dirigiu seus estudos e toda sua vida clínica para as questões psicossomáticas, porém inovou completamente as cadeias de Mezières. Foi a primeira a propor que as cadeias se comportam como espirais e explicou suas ideias com toda interligação psicológica e psico comportamental. Também incluiu em seu método manipulações sutis de ossos e articulações.

Se você leitor gosta dessa abordagem, é a essa especialização que deve se entregar. É o que temos de mais coerente até hoje. Todos os métodos citam as questões psicológicas, mas nenhum consegue interferir ou mesmo interligar essas questões ao corpo, com exceção da Osteopatia, que segue por outra proposta, pois fala de sistemas (órgãos).

Madame Thérèse Bertherat

A grande sensibilidade pela fisioterapia é de uma sutileza aguçada. Os livros de Madame Thérèse Bertherat nos trazem deliciosos deleites, pois mais nos remete a leituras sobre contos do que propriamente um livro didático sobre fisioterapia.

Em suas valiosas observações, nos ensina, antes de mais nada, a sermos terapeutas no mais profundo sentimento de curar. Ela transmite em suas palavras, ensinamentos poéticos de nossa nobre profissão.

Bertherat se mudou para Paris e logo após a morte trágica de seu marido entrou em contato com a Sra. Ehrenfried, uma médica que refugiada do nazismo. Ela se instalou em Paris e trabalhava com uma certa ginástica, assim denominada por falta de um nome mais específico.

Sra. Ehrenfied sempre trabalhava um lado do corpo por vez. Ela defendia que quando um lado do corpo vive plenamente, o outro (lado patológico) não aguenta mais viver em inferioridade e sucumbe. Assim, ele buscando a simetria e torna-se disponível ao ensino que parte da metade mais perfeita.

Sua ginástica constava de movimentos suaves e precisos que ajudavam a soltar os músculos, liberando uma energia até então desconhecida. Não tocava em seus alunos, pois não queria que eles simplesmente a imitassem e nem que seus corpos seguissem à pressão de suas mãos. Acreditava que seus alunos teriam que chegar por si mesmos à descoberta sensorial do próprio corpo.

Defendia também que um esforço novo para o corpo, exigia o emprego de impulsos nervosos nunca empregados antes. Ela jamais permitia que sua ginástica fizesse seus alunos suarem. Caso isso acontecesse, ela acreditava que haviam deixado de ouvir o corpo, portanto seu trabalho era delicado e preciso.

Madame Bertherat completamente fascinada com os resultados obtidos em seu próprio corpo resolveu então se formar em fisioterapia. Ao fim do curso ficou completamente decepcionada com os métodos aplicados na época, como:

  • Mesas de tração;
  • Polias;
  • Coletes;
  • Outros.

Para ela eles mais soavam como uma tortura. Foi então apresentada ao trabalho de Madame Mézières.

A partir de então, começa a clinicar com o método de Mezières, sem perder de vista seus ensinamentos iniciais. Mais tarde criou seu próprio método que ficou conhecido como antiginástica, mas que foi concebido como Preliminares.

Método em que antes submetia seus pacientes a descobrir suas tensões conscientizando-os de que seu corpo é sua morada. Assim, por conseguinte, já com consciência e com seus músculos relaxados os submetia ao Método de Madame Mézières.

Não posso encerrar esse artigo sem citar algumas das palavras de Bertherat (2010) com sua sensibilidade sem igual:

“Nesse instante, esteja onde estiver, há uma casa com seu nome. Você é o único proprietário, mas faz tempo que perdeu as chaves. Por isso, fica de fora, só vendo a fachada. Não chega a morar nela. Essa casa, teto que abriga suas mais recônditas e reprimidas lembranças, é o seu corpo.

Se as paredes ouvissem: na casa que é o seu corpo, elas ouvem. As paredes que tudo ouviram e nada esqueceram são os músculos. Na rigidez, crispação, fraqueza, dores dos músculos e das costas, pescoço, diafragma, coração e também do rosto e do sexo está escrita toda a sua história desde o nascimento até hoje.”

Como diria Madame Thérese Bertherat (2010), sem perceber, desde os primeiros meses de vida, você reagiu a pressões familiares, sociais, morais. Ande assim. Não se mexa. Tire a mão daí. Fique quieto. Faça alguma coisa. Vá depressa. Aonde você vai com tanta pressa?

Atrapalhado, você se dobrou como pode. Para se conformar, você se deformou. Seu corpo de verdade-harmonioso, dinâmico e feliz por natureza foi sendo substituído por um corpo estranho que você aceita com dificuldade, mas que no fundo você rejeita. Nunca é tarde demais para se liberar da programação do seu passado, para assumir seu próprio corpo, para descobrir possibilidades até então inéditas.

Bertherat agregou aos ensinamentos de Mezières, a percepção corporal como base de início para qualquer trabalho postural. Ao longo de sua experiência clínica, foi se apoderando de algo que até então ninguém havia se atentado: que os fatores psicossomáticos também eram capazes de interferir drasticamente nos movimentos.

Conclusão

Sugiro a você leitor que gosta dessa abordagem psico somática que busque por essas formações que existem no Brasil.