Quantos de nós já escutamos a frase “barriga para dentro”? Acredito que muitos, ou quase todas as pessoas, já ouviram alguém falar isso.

É lógico que precisamos manter uma boa postura, porém não é através de uma contração máxima e constante do abdômen que vamos conseguir isso.

Para as mulheres, a consequência de manter essa contração para esconder a barriguinha, pode ser muito grave.

O excesso de contração dos músculos que compõe a faixa abdominal (transverso, oblíquos, e reto), pode gerar um aumento crônico da PIA, que pode complicar muito a vida de uma mulher. Com o aumento da PIA, a pressão sobre as vísceras cresce, empurrando todo conteúdo visceral para baixo.

Daí a propensão a prolapsos e incontinências, também podendo afetar as funções intestinais, pois o diafragma não consegue descer o suficiente no ato inspiratório, para massagear o músculo transverso e favorecer o perestaltismo.

Pode gerar também lombalgia crônica pois essa pressão pode empurrar para trás, aumentando a tensão sobre a fáscia tóraco-lombar. Gerando um aumento da produção de miofibroblastos que faz crescer ainda mais a tensão fascial reduzindo, assim, a mobilidade.

Muitas outras consequências podem vir, através do aumento da PIA.

Entretanto hoje temos o Método Abdominal Hipopressivo, um grande método que pode atuar diretamente sobre essa PIA. Equilibrando não apenas na cavidade abdominal, mas também na cavidade torácica e pélvica.

Restaurando a mobilidade diafragmática e do assoalho pélvico, ativando o tônus correto da faixa abdominal, para que haja sustentação do conteúdo visceral e controle de esfíncteres.

Com isso o tônus postural se reequilibrará, e não mais precisaremos colocar a “barriga para dentro”.