Quer saber como realizar um tratamento de ombro, utilizando o Método Pilates? Preparei esse texto especial para você entender como funciona!

Biomecânica e anatomia do ombro

O ombro é, na verdade, um conjunto de articulações que cria uma estrutura com mobilidade e liberdade de movimento extrema. Suas estruturas estão intimamente ligadas ao funcionamento da caixa torácica e, portanto, da coluna torácica.

O membro superior é formado principalmente pelas seguintes articulações:

  • Glenoumeral: consiste na ligação da “cabeça” do úmero a cavidade glenoide.
  • Acromioclavicular: une a clavícula ao acrômio escapular, a esternoclavicular, ligando a clavícula ao esterno.
  • Escapulo costais: ligações da escápula com as costelas.
  • Articulação úmero ulnar.
  • Articulação úmero radia.
  • Articulação rádio ulnar proximal.
  • Rádio ulnar distal.
  • Articulação rádio cárpica;
  • Articulações cárpicas;
  • Articulações carpometacárpicas;
  • Articulações metacarpofalângicas;
  • Articulações interfalângicas.

Aqui estamos separando não somente as articulações do ombro, mas também do cotovelo, mãos e punhos. Podemos considerar toda essa estrutura como parte da unidade funcional membro superior.

“Ajuntá-las” dessa forma ajuda a compreender como todo desequilíbrio em uma das partes pode gerar dor e desequilíbrio em outra, mesmo que ela esteja aparentemente distante.

Articulação esternoclavicular

Quanto às articulações do ombro propriamente ditas, comecemos analisando a esternoclavicular. Ela é uma articulação o tipo sinovial selar. Para que o movimento ocorra nessa região, é preciso que aconteça o deslizamento de superfícies ósseas. Portanto, existe o líquido sinovial para facilitar o processo.

Todas as articulações sinoviais possuem três características básicas, que são:

  • Cartilagem articular;
  • Cápsula articular;
  • Cavidade articular.

Essa articulação é responsável por ligar a face medial da clavícula à face lateral do esterno. Ela é o único ponto de união entre o membro superior e o tronco e é responsável pela elevação e depressão do tronco.

Cartilagem articular

Ao estudar o complexo do ombro percebemos a prevalência de articulações sinoviais. Nada mais natural, portanto, que estudar suas características. A cápsula articular encontrada na maioria das articulações do ombro é do tipo hialina. Ela é responsável por recobrir as superfícies articulares em contato e facilitar seu deslizamento. Por não ser vascularizada ela é de difícil regeneração quando ocorrem lesões.

Cápsula articular

A cápsula articular possui uma membrana conjuntiva que envolve a articulação sinovial de maneira similar a um manguito. Ela possui duas camadas:

  • Membrana fibrosa;
  • Membrana sinovial.

Cavidade articular

É o espaço que existe entre as superfícies articulares. Quando o ombro está em seu estado fisiológico, todas as cavidades articulares são banhadas por líquido sinovial.

Articulação acromioclavicular

Essa é uma articulação sinovial plana. Sua principal característica é ser uma articulação uniaxial que permite deslizamentos entre a face articular acromial da clavícula e a borda medial do acrômio. Seus movimentos são bastante limitados, sendo somente o deslizamento da clavícula na escápula.

Articulação escapulo umeral

A escapulo umeral é uma articulação sinovial esferoide. Ela é multiaxial e possui uma cabeça globosa rasa. A cavidade é em forma de cálice e realiza a união entre a cabeça do úmero e a cavidade glenoide da escápulas.

A cavidade é rasa exatamente para permitir a ampla movimentação pela qual essa articulação é caracterizada. A escapulo umeral é responsável pelos seguintes movimentos:

  • Rotação;
  • Flexão;
  • Extensão;
  • Adução;
  • Abdução;
  • Circundução.

Estabilização articular

Como acabamos de ver, a escapulo umeral é extremamente móvel. Quando não existe estabilização adequada, ela sofre lesões, patologias e dor. Para realizar o tratamento de dor no ombro, é essencial limitar a amplitude desses movimentos através da estabilização.

Os ligamentos no ombro têm importante função estabilizadora e limitam a amplitude de movimento das suas articulações. O lábio glenoidal realiza um reforço, sendo formado por um rebordo de fibrocartilagem ao redor da cavidade glenoidal. Assim, o ombro consegue maior estabilidade em seus movimentos.

Também temos a bursa, um saco contínuo à cápsula articular preenchido por líquido sinovial. Ela tem a importante função de diminuir o impacto entre os ossos da glenoide, úmero e cavidade glenoidal da escápula.

Por último, temos as estruturas estabilizadoras dinâmicas do ombro: os músculos. Eles geram o movimento e também são responsável pela estabilização das articulações, em especial da escapuloumeral.

Por que entender todo o funcionamento do ombro?

Os exercícios de Pilates são, inegavelmente, uma excelente maneira de realizar o tratamento do ombro. Além disso, conforme avançamos com o método encontramos movimentos que trabalham mais e mais essas articulações de maneira completa.

Portanto, quem não compreende o funcionamento do complexo do ombro é incapaz de tratá-lo ou de proporcionar um tratamento do ombro adequado.

O Pilates nos ajuda a trabalhar os movimentos do ombro e recuperar seu funcionamento fisiológico. Para isso, utilizamos principalmente exercícios em cadeia cinética fechada, sendo alguns deles unilaterais.

Os exercícios escolhidos proporcionam melhor mobilidade e estabilidade do complexo do ombro. Também conseguimos trabalhar a coluna e caixa torácica que, quando rígidas, impedem os movimentos adequados desse complexo.

Exercícios de Pilates mais recomendados

Durante o tratamento do ombro conseguimos utilizar diversos exercícios de Pilates. Eles podem ser realizados na Chair, Reformer, Cadillac e até no Mat. Lembrando que não existem receitas prontas, os exercícios devem ser aplicados de acordo com a patologia e necessidades específicas do paciente.

Alguns dos exercícios que podem ser aplicados incluem:

  • Reformer: footwork, arms supine series, hundred e variações, single arm coordination, hip work series, remadas, chest expansion;
  • Cadillac: pelvic curl, standing arm-work series, agachamentos assistidos;
  • Chair: pelvic curl, triceps press sit, swan;
  • Mat: pelvic curl, hundred, single leg stretch, pontes.

O que fiz acima foi um rápido resumo de exercícios que podemos usar em casos para tratamento do ombro. Eles não são uma regra, em alguns pacientes você precisará de exercícios completamente diferentes. Precisamos entender que existem diversas patologias de variadas complexidades que atingem esse complexo.

Conclusão

Perceba que o Pilates é um método bastante completo que oferece exercícios para tratamento do ombro em todos seus equipamentos. Pacientes com patologias que atingem suas articulações conseguem melhora significativa para dor e funcionalidade, conseguindo recuperar também sua amplitude de movimento.

Quem deseja fornecer um melhor tratamento de ombro usando o método precisa de um excelente conhecimento do próprio Pilates. É através dele que conseguimos saber quais exercícios são melhores aplicados, podendo melhorar ainda mais os resultados.

Por isso, recomendo meu curso de biomecânica do Pilates. Nele você aprende cada detalhe desse maravilhoso método e maneiras de utilizá-lo para reabilitação e preparo físico.

 

Bibliografia