Responda sinceramente: você sabe quem é Marcel Bienfait e qual sua importância para nossa área e cadeias musculares?

Não sabe? Calma, não existe problemas nisso. Sabendo que você entrou nesse artigo sei que você está interessado em aprender mais e aprimorar sua técnica. Marcel Bienfait é essencial para quem quer melhorar seus conhecimentos em cadeias musculares, avaliação postural e fáscias.

Marcel Bienfait foi mais um dos seguidores de Madame Francoise Mezières, e um grande estudioso da postura estática. Apesar de seguir as cadeias de Mezières, também defendia que a reeducação estática local não pode ser negligenciada. Para Marcel Bienfait, isso estava acontecendo a partir do conceito de globalidade. Ele seguia as cadeias propostas por Mezieres, mas defendia que a reeducação estática local não poderia ser negligenciada, como estava sendo a partir do conceito da globalidade.

Quer baixar um ebook completo sobre Avaliação Postural gratuitamente? Clique aqui para baixar

 

Biografia de Marcel Biefait

Marcel Bienfait formou-se em 1943 em Educação Física em 1946, também na França, foi diplomado também em fisioterapia. Começou sua carreira em 1947 quando dispensado dos serviços militares. Em 1947 organizou ‘ouvré leunes des enfermos em Paris, que dirigiu até 1974.

No mesmo ano também organizou um serviço de reabilitação funcional no Serviço de Reabilitação Funcional Hospital H. et M. Rothschild, também em Paris, onde permaneceu até 1967. Concomitantemente continuou seus estudos e em 1955 se tornou professor do Centro Funcional de Reabilitação d’Etude em kinésithérapique d’Assas, em Paris.

Em 1963 fundou e dirigiu a Escola de Professores FFMKR para se tornar em 1968 a Escola Oficial de Pinturas. Nesse ano ele tornou-se diretor do ‘Institut National de la Kinésithérapie na França.

Marcel Bienfait e Terapia manual

terapia manual de marcel bienfaitEm 1975, iniciou seus estudos em Osteopatia iniziagli, que mais tarde se juntaria a Terapia Manual. Terapia Manual ensinada desde 1980 na França, na Itália e no Brasil.

A terapia manual de acordo com o trabalho proposto pelo conceito de Marcel Bienfait tem diversos alunos nesses países. Ele não desenvolveu um método pessoal, mas uma adaptação dos tratamentos de fisioterapia aos avanços da fisiologia moderna.

Marcel Bienfait baseou-se no conhecimento da fisiologia moderna tornando-se autor de numerosas publicações sobre Terapia Manual, traduzido para vários idiomas. Desde 1998, as obras de Marcel Bienfait fazem parte dos livros de texto mais consultados para os estudos universitários de fisioterapia no Brasil.

Bienfait acreditava que o conceito da globalidade proposto brilhantemente por Madame Mezieres vinha sendo utilizado de forma indiscriminada. Ele servia como fator preponderante muitas vezes para esconder muitas deficiências anatômicas e fisiológicas dos terapeutas.

Como a maioria das teorias, a de Mezières também nasceu de um insight durante um atendimento. Começou a atender uma paciente para tratamento de uma cifose dorsal, paciente esta que fazia uso frequente de um colete estabilizador.

A partir daí observou que ao tentar manipular a região dorsal gerou como resultado uma compensação nos ombros que não estavam sendo manipulados. A terapeuta então solicitou uma retroversão ativa da paciente para diminuição de sua lordose lombar.

Isso gerou o aumento da lordose cervical, então solicitou que a paciente corrigisse o posicionamento cervical através de um auto crescimento ativo, o que gerou um bloqueio inspiratório em sua paciente.

Mézières conclui então que a paciente possuía tal rigidez muscular que seus segmentos perderam sua autonomia individual, e que quando lhe foi solicitado a correção local de cada segmento, esse tornou-se impossível de realizar sem o comprometimento de todo o sistema, aumentando as lordoses por encurtamento.

Leis de Mézières

leis de mezieresDessa constatação surgem suas primeiras leis:

Primeira Lei de Mezières: existem somente lordoses, sendo assim, o crédito de comprimento ganhado nesta cadeia pode ser enganoso, pois é sempre recuperado em alguma extremidade.

Segunda Lei de Mezières: a cadeia posterior comporta-se como um único músculo. O que ordena os demais músculos a trabalharem de forma a seguir os seus mandatos.

Terceira Lei de Mezières: esta musculatura é sempre forte demais, curta demais, potente demais. Para ela, a cadeia muscular posterior seria dominante, estruturalmente profunda e multiarticular, funcionalmente estática (tônica) e de controle neurológico central inconsciente, estruturada para um trabalho de sustentação antigravitacional.

Quarta Lei de Mezières: um tratamento global dessa cadeia só poderá ser feito, se contermos todas as compensações.

Quinta Lei de Mezières: cada cadeia deve aceitar a postura excêntrica, para além da cadeia posterior, existe também um conjunto de cadeias sinérgicas a posterior.

Sexta Lei Mezières: um esforço muscular pode gerar um bloqueio na respiração.

A partir dessas observações, Mezières afirmava que a questão não estava na fraqueza dos músculos posteriores, mas sim em sua forca excessiva. Logo o tratamento estava baseado em soltar os músculos posteriores para libertar as vértebras de seu arco côncavo. Lembrem-se que Mézières só aceitava as lordoses.

Nova proposta de Meziéres

A nova proposta de Mezières se pautava em sua primeira observação de que cada vez que tentava diminuir uma curvatura do eixo vertebral, a curva ou compensação se deslocava para outro seguimento. Surgindo então o conceito da globalidade.

O tratamento se baseava em posturas excêntricas mantidas durante longo tempo, corrigidas de maneira ativa, enquanto o paciente em postura lhe era solicitado uma sucessão de inspirações e expirações forçadas, com expirações lentas e prolongadas, sem apneia e com a insuflação do ventre.

Na tentativa de alongar os pilares diafragmáticos, acreditava que assim devolveria a fluência dos músculos por dilaceração do tecido conjuntivo e estimularia o efeito de memória pelo prolongamento da postura, sempre evitando a rotação interna dos membros.

Dois anos mais tarde publicou a “Revolução na Ginástica Ortopédica”, na França, cuja publicação afirmava que as lordoses participam da origem de todas as deformações, pois estas estão presentes devido a compensações musculares causadas pelas lordoses.

Reeducação postural de Mézieres

Mezières criou um método de reeducação postural, que parte do princípio de que temos músculos posteriores mais potentes do que os anteriores, e que esses músculos trabalham de uma forma contínua.

A essa cadeia deu o nome de Cadeia Muscular posterior, afirmando que só existem lordoses e que todos os desvios de postura seriam causados por essa cadeia, sendo assim o alongamento dessa cadeia seria um tratamento eficaz, desde que se evite todas as compensações.

Além disso, propôs que o desequilíbrio de tensão dos músculos agonistas e antagonistas, geraria um benefício para a rotação interna, mais acima cito a ação do músculo Psoas, que se torna nesse caso um importante rotador interno.

A base de seu tratamento estava no alongamento dos músculos posteriores, através de posturas, principalmente naqueles que causam as lordoses e nos músculos rotadores internos posteriores, com o objetivo de obter a fluidez das massas musculares e corporais.

Cadeias musculares

cadeias musculares de mezieresMadame Mézières baseada em seus conceitos desenvolveu quatro cadeias musculares:

  • A cadeia posterior: composta por todos os músculos posteriores.
  • A cadeia braquial: formada músculos anteriores do braço, antebraço e mão.
  • A cadeia ântero-interna: onde constam os rotadores internos dos membros inferiores, músculos diafragma e iliopsoas.
  • A cadeia anterior cervical: compreende os músculos escalenos, peitoral menor, intercostais e diafragma.

Diferenças entre Marcel Bienfait e Mezières

Marcel Bienfait não era contra as posturas de Mezières, mas acreditava que as deformações tinham uma origem diferente. Elas se iniciariam em:

  • Músculos;
  • Aponeuroses (foi o primeiro a descrever manobras fásciais);
  • Disfunção articular.

Esses fatores posteriormente gerariam uma cadeia muscular deficitária. Certas retrações e encurtamentos só poderiam desaparecer ou melhorar através de tratamentos localizados.

Sua proposta e trabalho se baseava nas retrações músculo aponeuróticas, quando ainda em estágio de não fixação. Acreditava que depois que essas fixações se transformassem em fixações seria impossível revertê-las, defendia que a terapia manual tem seus limites.

Todas suas manobras se seguiam de um relaxamento após um tensionamento. Segundo Marcel Bienfait, esse tensionamento provoca um deslizamento das miofibrilas de actina, no sentido do alongamento dos sarcômeros.

Esse tensionamento deve ser lento, regular e progressivo, nunca ultrapassando a elasticidade do tecido. Logo não é um alongamento, o paciente não deve sentir dor e a sensação deve ser de relaxamento. Contraditório? Não.

Manobra de pompage

Bienfait(1995) usava as seguintes palavras para descrever as suas manobra de pompage:

O fisioterapeuta deve se portar como um ladrão ao invadir o corpo (casa) do paciente, de forma lenta e sútil para não disparar os alarmes da casa, como por exemplo, os Órgãos Tendinosos de Golgi, pondo a perder todo o ganho de elasticidade da manobra.

Desenvolveu então um trabalho preparatório progressivo, para só depois colocar seus pacientes em postura. Esse seu trabalho foi denominado de fisioterapia estática, e não se considerava o criador de um método. Esse seu trabalho se baseava em algumas leis:

  • Acreditava que para corrigir alguma deformidade era preciso evitar suas compensações, assim como Mezières.
  • Defendia que numa compensação fixada era preciso corrigi-la antes da deformidade, antes de posturar o paciente.
  • Para corrigir, era necessário abrir as concavidades, ou seja, alongar o que está curto demais.

A partir daí criou um postulado para o desenrolar de suas sessões:

  • Contato com o paciente.
  • Exame dos apoios em decúbito dorsal.
  • Educação Respiratória.
  • Posturas de alongamento e manobras de correção manual.
  • Aquisição do trabalho em postura.
  • Trabalho sobre os pés.
  • Retorno a avaliação dos apoios em posição deitada.

Contato com o paciente

Sua sessão sempre começa com uma fase de preparação. Essa fase seria uma apresentação das mãos do fisioterapeuta ao corpo do paciente. Ela deve ser realizada de forma sutil e relaxante, proporcionando o corpo aceitar com mais facilidade o trabalho que se seguirá. Consta duas manobras de Marcel Bienfait para entender melhor.

Pompage Global

pompage global de marcel bienfaitPompage global: independentemente de qualquer manobra do tecido conjuntivo a pompage global relaxa muitas tensões a distância defendia Marcel Bienfai. Alguns terapeutas defendem que se a manobra da Pompage Global for realizada com propriedade, deve-se observar os pés do paciente se moverem sutilmente em direção craniana.

A manobra consta do paciente em decúbito dorsal na maca, deitado confortavelmente. Seus membros superiores e inferiores devem ficar descruzados e relaxados, palmas das mãos voltadas para cima, afim de relaxar os ombros de suas tensões em rotação interna.

O terapeuta se posiciona confortavelmente através da cabeça do paciente. Precisa ficar confortável porque a manobra não tem tempo exato de realização. Ela varia de acordo com as tensões de cada paciente.

Os antebraços do terapeuta devem apoiar-se sobre os processos mastoides do paciente. A partir daí o terapeuta realiza uma retroversão lombar que propiciará os tecidos aponeuróticos um tensionamento lento e progressivo até o limite da elasticidade do tecido no sentido cefálico. O movimento deve ser realizado de forma sutil e relaxada.

Observa-se então se houve uma leve dorsiflexão dos pés de seu paciente. Isso prova e nota a presença do sistema de tensigridade fascial presente em todo o sistema corporal. O terapeuta manterá esse tensionamento até perceber que não há mais ganho de elasticidade. O crédito de relaxamento ganho na manobra deverá ser devolvido lentamente em direção caudal novamente.

Cuidado com a manobra: em hipótese nenhuma o terapeuta deverá permitir a retificação da coluna cervical de seu paciente.

Pompage torácica

pompage torácica de marcel bienfaitA pompage torácica também é muito eficaz para a melhora da ventilação pulmonar. Ela também melhora a capacidade do sistema linfático, e reestabelece as pressões intratorácicas.

O paciente deverá estar posicionado exatamente da mesma maneira da manobra anterior. O terapeuta fica em pé, atrás do paciente e da cabeceira da maca com as mãos sobre o esterno. As mãos ficam uma sobre a outra.

A posição das mãos deve estar posicionada de maneira que suas últimas falanges estejam apoiadas sobre o processo xifoide do paciente. No início, o terapeuta acompanha o ritmo respiratório de seu paciente que deverá estar respirando de forma relaxada.

Ou seja, dentro de seu padrão normal respiratório, a partir de então, a manobra deve ser seguida no final da expiração de uma leve pressão sobre o manúbrio. Ele deve seguir o sentido da maca e o sentido caudal e na inspiração, uma leve tração no sentido cranial sobre o processo xifoide.

A pressão é leve e não deverá impor nenhum padrão respiratório específico para o paciente. Somente acompanhará o padrão respiratório do paciente, objetivando ganho de mobilidade da caixa torácica.

Exame dos apoios em decúbito dorsal

Marcel Bienfait acreditava que as compensações presentes e observadas em pé desaparecem quando o paciente é colocado em decúbito dorsal. Nessa posição permanecem somente as deformidades, que devem ser tratadas isoladamente.

O principal objetivo do exame nas duas posições é a conscientização do paciente para seu posicionamento antes e depois do trabalho corporal para sua percepção a cada sessão. Acreditava ainda que apoios normais (não entendi essa parte) assinalam que o paciente não apresenta deformidade fixa, sendo portanto reversível ao tratamento manual.

Educação Respiratória

Utilizava em suas sessões o que chamava de expiração relaxante, construída em cinco fases objetivando o relaxamento durante uma expiração a mais prolongada possível, sem ativação dos músculos abdominais. Descreve que a respiração relaxante deve ser sentida como um suspiro.

Posturas de Alongamento

É somente nessa fase que o trabalho em postura se inicia com alongamentos simples, porém globais, de cadeia fechada. Realizadas com manobras de correções manuais, desenvolvidas para cada tipo de compensação. As posturas de alongamento são bastante simples.

Aquisição e Trabalho em Postura

Nessa fase de aquisição da postura é que o fisioterapeuta procurará eliminar as compensações. A partir da deformidade inicial em uma posição que torne impossível a volta dessas compensações, não é possível corrigir uma deformidade sem antes eliminar suas compensações.

O trabalho em postura só é iniciado quando a postura for possível para a correção do desequilíbrio inicial. Essas duas fases são tecnicamente semelhantes.

Trabalho sobre os pés

Bienfait acreditava que executar a correção dos pés em postura é muito difícil, logo desenvolveu uma série de Pompages para tal objetivo.

Seguem algumas pompages a seguir:

  • Pompage lombar: o paciente deve estar posicionado em decúbito dorsal com seus dois membros inferiores em flexão de quadril e joelhos com os pés posicionados sobre os ombros do terapeuta que estará posicionado em pé na extremidade inferior da maca de frente para o paciente.

A tensão dessa manobra para o relaxamento dos quadrados lombares, músculos que fazem parte do conjunto muscular da cadeia de extensão do tronco é obtida através da inclinação do tronco do terapeuta, que exercera uma tensão em direção a maca e ao crânio do paciente, as mãos do terapeuta apoiam fixamente as coxas do paciente, afim de não permitir, sob nenhuma hipótese a elevação da pelve da maca.

trabalho sobre pés de marcel bienfait

  • Pompage dos isquiotibiais: para esta manobra os membros inferiores devem ser tratados isoladamente. A manobra é realizada com o máximo de flexão de quadril e os joelhos do paciente deverão estar estendidos, tanto o que será tratado, tanto o oposto que repousará sobre a maca, o terapeuta estará posicionado ao lado do membro inferior do paciente a ser tratado.

O terapeuta apoia sua mão no tendão de Aquiles do paciente e os apoiara sobre sua testa, com sua outra mão do terapeuta fixa internamente o joelho oposto e a manobra evolui com o avanço do corpo do terapeuta.

pompage dos isquiostibiais

  • Pompage do soleo: conforme já citei em artigos anteriores, sabemos da importância do relaxamento do soleo. Essa manobra é extremamente importante e eficaz, para corredores ou mesmo para joelhos dolorosos.

O terapeuta deve se posicionar ao lado do paciente com uma de suas mãos abraçando o calcâneo do paciente em um leve varo. A fim de evitar compensações para o valgismo, o antepe do paciente repousa no antebraço do paciente, a outra mão do terapeuta assegura uma ligeira flexão do joelho do paciente. A tensão é realizada pela inclinação lateral do tronco do terapeuta.

pompage de sóleo

Trabalho dos apoios no chão

Marcel Bienfait como grande estudioso da postura estática diz em um de seus livros que o verdadeiro trabalho estático só pode ser realizado através dos pés. É um trabalho bastante longo, nunca perfeito, mas é o mais eficaz e talvez único para se agir sobre o tônus muscular corporal de forma completa.

O trabalho dos apoios não é uma reeducação, mas apenas exercícios de equilíbrio tônico global. Nesse trabalho o principal erro dos terapeutas, em geral, está em querer evoluir rápido demais.

Conclusão

Marcel Bienfait, como grande estudioso, teve todo o seu mérito ao agregar diversos conhecimentos e contestar a ideia da negligência do tratamento local. Esse tipo de tratamento passou a ser subestimado após a divulgação das cadeias de Madame Mézières.

De forma alguma era contra as cadeias, mas acreditava que até chegar as posturas as desorganizações locais deveriam ser corrigidas, progressivamente de forma sutil com as tensões locais sendo minimizadas, os desajustes articulares serem trabalhados. Só então era a hora certa para posturar o paciente. Sugeriu as Pompages usadas até hoje com grande eficiência. Sendo considerado o pai das Pompages.

Bibliografia

Cadeias Musculares do Tronco, Janaina Cintas

Os desequilíbrios Estaticos, Marcel Bienfait