Meu amor pelo Pilates vai bem além da prática e muita gente sabe disso. Estudar os exercícios de Pilates é a melhor maneira de investir na sua formação profissional e conseguir melhores resultados para seu aluno.

Por isso, separei aqui algumas análises cinesiológicas e biomecânicas de exercícios do Pilates. Em especial, foquei em movimentos usados na reeducação postural para conseguir melhorar a reabilitação de nossos pacientes. Falarei em especial do Hamstring Stretch, Spine Stretch, Torso Press Sit, Teaser, Short Box e variações do Hundred.

Por que devo conhecer os exercícios de Pilates?

Sabia que a biomecânica do Pilates pode melhorar muito sua aula? Dominando esse assunto, te garanto que sua aula deve melhorar muito! Além de conseguir melhores resultados para seus pacientes e alunos, você ainda consegue melhorar sua autoridade diante os alunos.

Quando eles reclamarem ou perguntarem por que precisam fazer esse exercício que não gostam, você terá a resposta! Nada impõe mais confiança do que um instrutor que sabe o que está fazendo e a única forma de conseguir isso é através do conhecimento.

Muita gente que, hoje em dia, trabalha com Pilates não conhece o método e suas nuances biomecânicas. Seu crescimento rápido e acelerado deixou furos no entendimento de boa parte dos praticantes. Por isso, não podemos deixar de estudar os exercícios de Pilates.

Hoje em dia temos métodos mais avançados para estudar o movimento. Por isso, conseguimos compreender ainda melhor a genialidade de Joseph Pilates.

Para complementar ainda mais a necessidade de estudo, é ele que cria pensamento crítico e analítico. Conhecendo como cada exercício funciona, você consegue escolher o protocolo de aula mais certo para seu aluno específico.

Te convenci a continuar estudando esse maravilhoso método? Então continue lendo para entender melhor alguns exercícios de Pilates.

Como comparar exercícios de Pilates?

Não vou comparar exercícios de forma a dizer que X exercício é melhor que Y para sua aula. Isso seria até impossível, porque todos eles são extremamente úteis em momentos específicos. O que podemos fazer é entender como cada movimento afeta as cadeias musculares, vetores articulares e outras estruturas do corpo.

É uma forma de compreender melhor os recursos praticamente infinitos que temos no Pilates e como aplicá-los. Para isso, usarei um estudo clínico aplicado em duas instrutoras de Pilates que realizou análises cinesiológicas qualitativas do movimento. Os observadores também calcularam ângulos de movimento, curvaturas e torques de resistência durante o exercício.

Hamstring Stretch na Chair e Spine Stretch no Cadillac

A primeira comparação que realizamos é entre o Hamstring Stretch na Chair e Spine Stretch no Cadillac. Ambos os movimentos são alongamentos direcionados à cadeia muscular posterior. Portanto, eles têm um uso importante nas correções posturais.

Durante o Hamstring Stretch o alongamento de cadeia posterior é um pouco mais limitado. Isso acontece por causa da posição inicial, com o corpo em bipedestação. Nessa posição os músculos da cadeia posterior trabalham para estabilizar a pelve e sustentar o peso do corpo. Portanto, encontram-se mais tensos e com menos potencial para alongamento.

Na posição em sedestação do Spine Stretch conseguimos um alongamento mais completo. Nela, os membros inferiores estão relaxados e são mais passíveis de alongamento. Isso significa que devemos escolher um no lugar do outro? Certamente não, só é importante conhecer seus principais usos.

Além do alongamento, esses exercícios de Pilates realizam um fortalecimento de músculos extensores de cotovelo. Isso acontece ao empurrar os pedais da Chair para baixo no Hamstring Stretch quando a flexão de tronco está completa. No Spine Stretch isso acontece no movimento de extensão do cotovelo que acontece junto da flexão de tronco para levar a barra para a frente.

Torso Press Sit na Chair, Teaser no Mat e Short Box no Reformer

Esses três exercícios de Pilates são conhecidos por seu excelente trabalho de fortalecimento, estabilidade e consciência corporal. Alunos iniciantes que ainda não têm força nas musculaturas trabalhadas dificilmente conseguem realizar as posições por muito tempo.

Durante os movimentos, o torque de resistência aplicado sobre as musculaturas é máximo. Portanto, os músculos precisam aplicar seu maior torque de potência para conseguir igualar ou vencer o torque de resistência. Nesse momento, conseguimos o melhor trabalho de musculatura abdominal.

Durante os exercícios Torso Press Sit e Teaser os membros inferiores oferecem o torque de resistência. Isso acontece por causa de sua posição que trabalha contra a gravidade. Para mantê-los estendidos no ar, o aluno precisa fortalecer as estruturas do tronco.

O Short Box exige um pouco menos da musculatura abdominal porque mantém os membros inferiores permanecem apoiados no Reformer.

O exercício Torso Press Sit ainda possui um trabalho de fortalecimento de extensores de ombro. No início do movimento o aluno deve realizar uma extensão contra a resistência da barra da Chair.

Hundred no Mat, Reformer e Cadillac

O Hundred no Mat pode ser considerado o mais simples de realizar. Nele o aluno possui apoio fixo para todo o corpo e só precisa realizar o movimento. No Cadillac o apoio é igualmente fixo, porém ainda existe a necessidade de segurar a barra, o que deixa o exercício um pouco mais difícil.

Além disso, no Cadillac o exercício começa a partir da posição neutra dos ombros, o que não ocorre nas outras duas variações.

O Reformer apresenta maior dificuldade por causa da resistência das molas. Nesse movimento o aluno começa com a cabeça apoiada no equipamento (algo que não ocorre no Cadillac e no Reformer) para depois entrar na posição do Hundred. Por causa da maior resistência, a amplitude de movimento também tende a ser menor.

Conclusão

O Método Pilates é uma ótima forma de proporcionar ao seu aluno a melhor Reeducação Postural possível. Espero que você tenha gostado dos exercícios que separei levando em consideração algumas análises cinesiológicas e biomecânicas de exercícios do Pilates.